Mundo

17 toneladas de material médico e medicamentos doados pela UE chegaram a Beirute

WAEL HAMZEH

Destinado às vítimas das explosões no porto da capital libanesa.

Um voo humanitário da União Europeia (UE) aterrou hoje em Beirute transportando mais 17 toneladas de material, incluindo medicamentos e equipamento médico, destinado às vítimas das explosões no porto da capital libanesa, anunciou a Comissão Europeia.

Os custos do transporte do material, destinado a assegurar acesso à saúde às pessoas em situação mais vulnerável na sequência das explosões, foram assumidos pelo executivo comunitário.

O avião transportou material adquirido pela UNICEF e a organização Médicos do Mundo.

Esta ajuda humanitária vem juntar-se à resposta de emergência da UE na sequência das explosões na capital Beirute, em 4 de agosto, que colocaram mais pressão sobre o sistema de saúde libanês, já saturado pela pandemia do coronavírus SARS-CoV-2.

No rescaldo das explosões, 19 países forneceram serviços especializados de busca e salvamento, equipas de avaliação química e equipas médicas, bem como equipamento médico e outra assistência através do Mecanismo de Proteção Civil da UE.

A explosão, em 04 de agosto, de 2.750 toneladas de nitrato de amónio armazenadas há seis anos no porto de Beirute arrasou vários bairros da capital e provocou 171 mortes e mais de 6.000 feridos, deixando ainda mais de 300.000 pessoas sem casa e várias dezenas de desaparecidos.

Beirute uma semana depois das explosões

Uma semana depois das explosões no porto de Beirute, o balanço de vítimas revela mais de 150 mortos e seis mil feridos. Os prejuízos são incalculáveis, com cerca de metade dos edifícios da capital libanesa destruídos.

Beirute tenta agora limpar as ruas e começar a reconstruir com a ajuda de alguns países internacionais, que tentam fazer chegar apoio a nível alimentar e financeiro.

  • Medo, solidão e falta de afetos: como a pandemia lhes mudou a vida

    Coronavírus

    No Dia Internacional do Idoso, contamos a história de duas pessoas que têm em comum a solidão. A de Zulmira Marques, de 92 anos. Há 6 meses era alegre e passeava com as amigas quase todos os dias. Depois veio a pandemia e ficou “completamente sozinha” durante três meses. Agora não quer sair de casa. Tem vários medos. A outra é a de Maria do Céu. Morreu em junho, aos 87 anos. Os últimos dias de vida foram passados numa cama de hospital. Não pôde despedir-se das duas filhas.

    Rita Rogado