Mundo

Presidente da Bielorrússia rejeita mediação estrangeira para resolver crise

Vasily Fedosenko

Letónia, Lituânia e Polónia tinham proposto um plano de mediação.

O presidente da Bielorrússia, Alexander Lukashenko, que enfrenta um grande movimento de protesto pós-eleitoral, rejeitou este sábado a possibilidade de mediação estrangeira, proposta em particular pela Polónia e por dois países bálticos, refere a Agência France-Presse (AFP).

"Não precisamos de nenhum governo estrangeiro, de nenhum mediador", disse Lukashenko durante a reunião no Ministério da Defesa, citado pela agência estatal Belta e pela AFP.

Na quarta-feira, a Letónia, a Lituânia e a Polónia propuseram um plano de mediação prevendo a criação de um "conselho nacional" para resolver a crise política em curso na Bielorrússia.

"Sem querer ofender os líderes dessas repúblicas, gostaria de lhes dizer para cuidarem dos seus próprios assuntos", disse o chefe de Estado bielorrusso, citado pela AFP.

Encontro de Lukashenko com Putin

Hoje, Alexander Lukashenko encontrou-se com seu homólogo e aliado Vladimir Putin, concordando em continuar a "fortalecer" a união da Rússia e da Bielorrússia, uma aliança intergovernamental entre os dois países.

"Não vamos vender o país a ninguém, vamos manter a situação sob controlo", enfatizou Lukashenko.Segundo a AFP, desde domingo, dezenas de milhares de manifestantes contestaram reeleição de Alexander Lukashenko, denunciando fraudes massivas e a repressão violenta do poder. Trata-se do maior movimento de protesto desde que Lukashenko chegou ao poder em 1994.

Depois de se terem verificado prisões em massa no início da semana, as autoridades deram, no entanto, sinais de recuo. O próprio Alexandre Lukashenko apelou a uma "certa contenção", refere a AFP.

A União Europeia anunciou, na sexta-feira, sanções contra os líderes bielorrussos ligados à violência e fraude eleitoral.

Minsk, capital da Bielorrússia, recebeu apoio de Moscovo, que denunciou as tentativas de "interferência estrangeira" com o objetivo de desestabilizar a Bielorrússia, um aliado histórico da Rússia, apesar das tensões recorrentes entre os dois países.

O chefe de Estado bielorrusso tinha acusado Moscovo de querer reduzir seu país à condição de vassalo e de se intrometer nas eleições de 9 de agosto.

  • Medo, solidão e falta de afetos: como a pandemia lhes mudou a vida

    Coronavírus

    No Dia Internacional do Idoso, contamos a história de duas pessoas que têm em comum a solidão. A de Zulmira Marques, de 92 anos. Há 6 meses era alegre e passeava com as amigas quase todos os dias. Depois veio a pandemia e ficou “completamente sozinha” durante três meses. Agora não quer sair de casa. Tem vários medos. A outra é a de Maria do Céu. Morreu em junho, aos 87 anos. Os últimos dias de vida foram passados numa cama de hospital. Não pôde despedir-se das duas filhas.

    Rita Rogado