Mundo

​​​​​​​Descobertas mais quatro toneladas de nitrato de amónio junto ao porto de Beirute

Os danos no porto de Beirute, no Líbano, na sequência das explosões provocadas por milhares de toneladas de nitrato de amónio.

WAEL HAMZEH

Não foram revelados pormenores.

O Exército libanês descobriu esta quinta-feira mais de quatro toneladas de nitrato de amónio junto ao porto de Beirute, capital do Líbano, um mês depois das explosões ocorridas naquela zona que mataram pelo menos 191 pessoas.

De acordo com fontes militares, peritos do Exército foram chamados para realizar uma inspeção e acabaram por encontrar 4,35 toneladas deste perigoso fertilizante em quatro contentores armazenados numa zona próxima ao porto de Beirute.

Não foram revelados pormenores sobre a origem desta substância química ou sobre o respetivo proprietário.

Explosões deixaram rasto de destruição na cidade libanesa

Esta descoberta é feita precisamente um dia antes de se assinalar um mês após a tragédia do dia 04 de agosto, quando 2.750 toneladas de nitrato de amónio explodiram no porto de Beirute, causando pelo menos 191 mortos, quase 6.000 feridos e perto de 300.000 desalojados.

As explosões de 4 de agosto deixaram um rasto de destruição na capital libanesa, provocando danos estimados em milhares de milhões de dólares.

O perigo do nitrato de amónio

Num comunicado, o Exército libanês indicou que os peritos estavam "a lidar com o material" potencialmente perigoso, numa aparente referência de que estaria a ser destruído e neutralizado.

Após as trágicas explosões de 04 de agosto, esta não é a primeira descoberta deste tipo.

Em 24 de agosto, o Exército libanês indicou que tinham sido detetados 79 contentores com material potencialmente perigoso, que estavam armazenados ilegalmente no porto de Beirute.

"Entre 14 e 22 de agosto de 2020, foram detetados 25 contentores com ácido clorídrico e outros 54 com materiais que, se houvesse uma fuga, poderiam representar um perigo", asseguraram, na altura, as forças militares libanesas.

Segundo indicaram também os militares, estas operações foram realizadas em conjunto com uma equipa de especialistas franceses que chegaram à capital do Líbano poucos dias depois das explosões.

A par dos peritos franceses, elementos da polícia federal norte-americana (FBI) também estão a participar na investigação às explosões de 4 de agosto, a pedido das autoridades libanesas.

Os resultados desta investigação ainda não foram divulgados.

Responsáveis pelo porto foram detidos

Até agora, as autoridades detiveram um total de 25 pessoas, a maioria das quais são funcionários portuários e aduaneiros.

Entretanto, e após um mês das explosões, equipas de resgate procuravam hoje um possível sobrevivente debaixo dos escombros num dos bairros de Beirute que ficou devastado, depois de um 'scanner' térmico ter detetado batimentos cardíacos, segundo anunciou o governador da capital libanesa, Marwan Abboud.

O governador de Beirute relatou que o primeiro alerta foi dado por um cão pisteiro de uma equipa de resgate chilena destacada na capital libanesa.

Os 'scanners' térmicos captaram sinais no local, indicando a existência de um ou dois corpos debaixo dos escombros, de acordo com o representante.

"Esperamos que alguém saia de lá vivo", disse o governador.

Sete pessoas continuam desaparecidas após as explosões, de acordo com o Exército libanês.