Mundo

Bielorrússia. Dois opositores detidos por "colocarem em risco a segurança nacional"

Liliya Vlasova, Pavel Latushka, Maria Kolesnikova and Maxim Znak.

Vasily Fedosenko

Svetlana Tikhanovskaya, exilada na Lituânia, exigiu na terça-feira a libertação imediata de Kolsnikova, dos restantes membros do Conselho de Coordenação da oposição e dos presos políticos.

Duas figuras da oposição bielorrussa presas recentemente, como Maria Kolesnikova, um dos rostos da campanha para as presidenciais de 9 de agosto, estão detidas por "colocarem em risco a segurança nacional", anunciou esta quarta-feira a Comissão de Investigação.

Maria Kolesnikova e Maxime Znak, membros do "Conselho de Coordenação" da oposição, realizaram "ações visando desestabilizar a situação sociopolítica e económica (...) do país e comprometer a segurança nacional", segundo um comunicado daquele organismo encarregado dos principais processos criminais na Bielorrússia.

Kolsnikova foi detida pelas autoridades bielorrussas na terça-feira na fronteira com a Ucrânia, depois de os seus apoiantes terem denunciado o seu sequestro na segunda-feira no centro de Minsk por vários homens encapuzados, levando o governo alemão a acusar hoje a Bielorrússia de usar "métodos do oeste selvagem".

A líder da oposição bielorrussa, Svetlana Tikhanovskaya, exilada na Lituânia, exigiu na terça-feira a libertação imediata de Kolsnikova, dos restantes membros do Conselho de Coordenação da oposição e dos presos políticos.

Znak, o advogado que era um dos últimos membros do Conselho de Coordenação da oposição ainda no país e em liberdade, foi detido hoje de manhã por homens encapuzados, disseram colaboradores políticos.

A prisão de Znak ocorre um mês após o início de manifestações sem precedentes na Bielorrússia contra a reeleição para um sexto mandato do Presidente, Alexandre Lukashenko, num escrutínio considerado fraudulento pela oposição.

A polícia bielorrussa tem detido dezenas de milhares de pessoas, algumas das quais se queixaram depois de tortura, suscitando protestos internacionais e ameaça de sanções.

Os Estados Unidos, a União Europeia e diversos países vizinhos da Bielorrússia também rejeitaram a vitória eleitoral de Lukashenko e condenaram a repressão policial, exortando Minsk a estabelecer um diálogo com a oposição.

  • "Quando estou com os avós sinto-me feliz"

    Desafios da Mente

    As investigações apontam que as crianças que têm avós envolvidos na prestação de cuidados podem ter melhores índices de saúde mental, como uma redução do risco de sintomas depressivos e de comportamentos desviantes, bem como melhor desenvolvimento cognitivo. Em Portugal, o Dia dos Avós celebra-se a 26 de julho. A data foi instituída pela Assembleia da República, em 2003.

    Mauro Paulino