Mundo

Papa Francisco reestrutura unidade de combate ao branqueamento de capitais da Santa Sé

VATICAN MEDIA HANDOUT

Reestruturação surge na sequência de vários escândalos.

O Papa Francisco reestruturou a unidade de informação financeira e combate ao branqueamento de capitais da Santa Sé na sequência de vários escândalos, incluindo uma investigação interna de corrupção em curso, afirmaram este sábado funcionários do Vaticano.

De acordo com o Vaticano, as mudanças envolvem a gestão e a organização da unidade, que passou a chamar-se Autoridade de Supervisão e Informação Financeira, ou ASIF. Até sábado, era conhecida como AIF, ou Autoridade de Informação Financeira.

O presidente da nova autoridade, Carmelo Barbagallo, um antigo funcionário do banco central italiano disse que as alterações ordenadas por Francisco sob a forma de um novo estatuto iriam reforçar as responsabilidades de supervisão financeira da entidade.

Francisco pretende trazer maior responsabilidade e transparência ao Vaticano, dando continuidade aos esforços do seu predecessor, Bento XVI.

As atividades da ASIF passam a ser divididas em três unidades: vigilância, regras e assuntos jurídicos e informação financeira. As suas funções incluem "supervisão destinada à prevenção e combate ao branqueamento de capitais e ao financiamento do terrorismo", de acordo com o novo estatuto.

Ao assinar o estatuto, o Papa Francisco anunciou as "implementações progressivas dos gabinetes de supervisão em matéria de luta contra o branqueamento, combate ao terrorismo e proliferação das armas de destruição maciça" da Santa Sé.

Os escândalos financeiros têm perseguido o Vaticano durante décadas. Um dos mais recentes centra-se num negócio imobiliário em Londres envolvendo um investimento de 350 milhões de dólares do Vaticano. O caso está a ser investigado pelo Vaticano.

  • Confidentes de alunos e cúmplices de professores: o braço contínuo

    País

    Chamam-lhes “funcionários” porque funcionam. A expressão até parece sugerir que eles são os únicos que “funcionam”, dentro de uma escola. Acalmem-se os tolos. Significa apenas que os “assistentes operacionais”, ou “auxiliares de ação educativa”, títulos mais pomposos do que “contínuos” – expressão que estimo muito - são pau para toda a colher.

    Opinião

    Rui Correia