Mundo

Vida extraterrestre? Sinal de rádio com características artificiais foi captado na Austrália

Stefica Bikes

A transmissão acabou por ser identificada pelos investigadores como sendo uma interferência, mas o projeto continua à procura de outros sinais.

Um sinal de rádio com características de transmissão artificial foi detetado em 2019 e alimentou a esperança de se tratar de uma prova da existência de vida extraterrestre. A emissão foi captada pelo telescópio Parkes, um disco de rádio com 64 metros localizado no leste da Austrália.

No entanto, ainda não foi desta que se provou a existência de vida extraterrestre: o projeto Breakthrough Listen Initiative tem vindo a estudar este sinal particular, chegando à conclusão que o mais provável é tratar-se de um barulho ou uma interferência provocada pela tecnologia de comunicação existente na Terra. Brevemente, será publicado o artigo que descreve a investigação desenvolvida pela equipa de cientistas e as conclusões encontradas.

“Estamos praticamente certos, agora, de que é uma interferência”, explica Simon Peter Worden, diretor executivo da Breakthrough Initiatives, à Space.com. “No entanto, o nosso objetivo era que isto fosse uma espécie de desbravador e estamos felizes com a oportunidade. É o primeiro sinal que passou o nosso teste básico”, acrescenta

O sinal foi apelidado de “Breakthrough Listen Candidate 1” e despertou o interesse da comunidade científica por várias razões. A primeira deve-se à frequência da emissão que está localizada nos 982 megahertz. Este valor é normalmente associado a uma transmissão artificial, uma vez que os sinais naturais apresentam uma maior variedade no espetro das frequências.

Para além disso, a direção da origem do sinal aponta para a Proxima Centauri, a estrela mais próxima do sistema solar – localizada a cerca de 4,25 anos luz da Terra – e que contém dois planetas em órbita. Um deles, o Proxima Centauri b, é considerado uma super Terra, ou seja, um planeta que tem características de habitabilidade semelhantes ao nosso, mas em tamanho superior. A distância a que a orbita deste planeta está em relação à estrela propicia a uma temperatura adequada, o que aumenta a possibilidade de existir água em estado líquido, assim como uma atmosfera favorável à existência de vida como a conhecemos.

Apesar de não ter sido identificado como um sinal de vida extraterrestres, esta emissão rádio serviu como teste aos procedimentos que foram definidos pelo Breakthrought Liste Iniciative para a análise de sinais oriundos do espaço.

“Independentemente de quão interessante um sinal individual é, continua a ser um sinal aleatório até ser validado por diferentes instrumentos, diferentes investigadores”, alerta Worden. “Isso ressalva que precisamos de ter vários instrumentos diferentes” para poder identificar o sinal, prossegue o investigador, avançando que está a decorrer o processo de colocação do telescópio de rádio South African MeerKAT em rede para que possa ser utilizado em conjunto com o telescópio Parkes na análise destes sinais.

A Breakthrough Listen Iniciative é um projeto científico que tem como objetivo identificar e analisar transmissões de rádio oriundas de civilizações extraterrestres. Criado em 2015 pelo bilionário israelo-russo Yuri Milner e pelo falecido cientista Stephen Hawking, este programa é o mais avançado do mundo na procura de vida noutros planetas.

A par com a análise de emissões, a Breakthrough Iniciative tem também em curso uma investigação científica à existência de vida na atmosfera superior do planeta Vénus, um estudo liderado pela astrofísica e cientista planetária Sara Seager.

“Estamos a fazer um estudo design, assim como algum trabalho de laboratório sobre o que procurar em Vénus”, esclarece Worden, avançando que a equipa está a ponderar a realização de missões ao segundo planeta do sistema solar. “Eu acho que a única forma de desvendar isso é através do envio de uma sonda para lá. Acontece que nós podemos enviar provavelmente uma pequena sonda relativamente rápida e barata – por dezenas de milhões de dólares. A questão é quão definitivo o resultado será”, realça.