Mundo

Juan Carlos planeia voltar a Espanha nas próximas semanas

POOL New

Rei emérito Juan Carlos I pagou esta semana 4,4 milhões de euros ao fisco espanhol.

O rei emérito Juan Carlos espera poder regressar a Espanha "nas próximas semanas", avança este domingo o jornal espanhol El Mundo, citando fontes próximas do ex-monarca.

O desejo de regressar ao país surge depois de Juan Carlos pagar 4,4 milhões de euros às autoridades fiscais espanholas para regularizar a sua situação.

O pagamento tinha como propósito saldar a dívida fiscal que tinha com o Ministério das Finanças de Espanha, pelo dinheiro de que beneficiou da Fundação Zagatka, para o pagamento de voos de jatos particulares, explicou Javier Sánchez-Junco, advogado do rei emérito, confirmando informações veiculadas antes pela imprensa.

"A apresentação das autoavaliações complementares corresponde ao rendimento proveniente do assumir, pela Fundação Zagatka, de determinadas despesas de deslocações e serviços prestados por Sua Majestade, da qual poderão decorrer determinadas obrigações fiscais regularizadas", acrescentou o advogado, num comunicado.

A Fundação Zagatka foi fundada em 2003 por Álvaro de Orléans-Borbón, um primo distante de Juan Carlos I, que pagou os custos dos voos privados entre 2007 e 2018.

Esta é a segunda declaração voluntária apresentada pela defesa de Juan Carlos I, depois de uma outra apresentada em dezembro passado para liquidar uma dívida com as Finanças, no valor de 678.393 euros.

O pai do rei Felipe VI está, desde agosto, exilado nos Emirados Árabes Unidos depois de se ver envolvido numa série de escândalos por causa de alegadas irregularidades financeiras e transações ilegais.

  • Vamos falar de jejum: era capaz de ficar 16 horas por dia sem comer?

    País

    O jejum intermitente é um regime alimentar que impõe um período de restrição alimentar. Existem vários modelos, mas o mais conhecido é dividido em 16 horas de jejum e oito horas em que pode comer livremente. Os especialistas reconhecem benefícios nesta prática, mas afirmam que a investigação científica ainda é escassa.

    Exclusivo Online

    Filipa Traqueia