Mundo

Biden promete apoio "inabalável" dos Estados Unidos à soberania da Ucrânia

Yuri Gripas / POOL

Afirmou também a vontade de "revitalizar" a "parceria estratégica" entre a Ucrânia e os EUA.

O Presidente norte-americano, Joe Biden, prometeu esta sexta-feira ao homólogo ucraniano, Volodymyr Zelensky, durante uma conversa telefónica, um "inabalável" apoio dos Estados Unidos à soberania da Ucrânia.

"O Presidente Biden afirmou o apoio inabalável dos Estados Unidos à soberania e integridade territorial da Ucrânia face à agressão da Rússia em Donbass e Crimea", de acordo com a transcrição da Casa Branca.

Durante a conversa telefónica, Joe Biden afirmou também a sua vontade de "revitalizar" a "parceria estratégica" entre a Ucrânia e os Estados Unidos, assegurando que as reformas implementadas pelo Presidente Volodymyr Zelensky contra a corrupção eram "cruciais para as aspirações euro-atlânticas da Ucrânia".

O Presidente ucraniano, por seu lado, saudou "a parceria crucial" com Washington, através de uma mensagem na rede no Twitter.

Tensão

Na quinta-feira, a Ucrânia acusou a Rússia de acumular milhares de tropas nas fronteiras que separam os dois países e na Crimeia, uma península anexada por Moscovo em 2014.

Por seu lado, a Rússia disse no mesmo dia à Ucrânia e aos países ocidentais para não se "inquietarem" com as movimentações de tropas russas na fronteira ucraniana, após Kiev recear um agravamento do conflito com os rebeldes pró-russos.

"A Rússia desloca as suas Forças Armadas no seu território da forma que entender", revelou Dmitri Peskov, porta-voz da Presidência russa, "mas tal não significa uma ameaça para ninguém nem deve inquietar ninguém".

NATO preocupada com recentes atividades militares

As "recentes atividades militares de grande escala na Ucrânia e arredores" estão a preocupar a Organização do Tratado do Atlântico Norte (NATO) que discutiu o assunto na reunião de quinta-feira do Conselho do Atlântico Norte, disseram hoje fontes da organização à agência Efe.

"Ontem (1 de abril de 2021), os aliados reuniram-se no Conselho do Atlântico Norte para trocar opiniões sobre o atual ambiente de segurança na região do Mar Negro. Os aliados partilharam as suas preocupações sobre as recentes atividades militares de grande escala da Rússia na Ucrânia e arredores", disseram.

Além disso, os países aliados estão preocupados com as "violações do cessar-fogo de julho de 2020, que resultaram na morte de quatro soldados ucranianos na semana passada".

De acordo com a Aliança Atlântica, "as ações desestabilizadoras da Rússia minam os esforços para reduzir as tensões" decorrentes do acordo de Julho de 2020, negociado no âmbito da Organização para a Segurança e Cooperação na Europa (OSCE).

"A NATO continua a apoiar a soberania e a integridade territorial da Ucrânia. Permanecemos vigilantes e continuamos a acompanhar de perto a situação", disseram as mesmas fontes.

A 24 de março, após uma reunião dos ministros dos Negócios Estrangeiros da NATO em Bruxelas, a organização salientou a sua unidade face ao comportamento "agressivo" da Rússia no estrangeiro e à "repressão" no seu território nacional, insistindo ao mesmo tempo na importância de retomar o diálogo entre a Aliança e Moscovo.

Conflito no leste da Ucrânia

Após uma longa trégua no decurso da segunda metade de 2020, o conflito no leste da Ucrânia registou desde janeiro uma intensificação dos incidentes armados, que provocaram a morte de 19 soldados ucranianos. Os dois campos acusam-se mutuamente de responsabilidade pela escalada.

Em paralelo, ucranianos e norte-americanos referiram-se a recentes movimentações de tropas russas na Crimeia, a península anexada pela Rússia em 2014, e na fronteira russo-ucraniana, perto dos territórios controlados pelos separatistas pró-russos.

"Estamos inquietos face às recentes escaladas de agressão russa no leste da Ucrânia, incluindo as violações do acordo de cessar-fogo de 20 de julho que implicou a morte de quatro soldados ucranianos em 26 de março, enquanto dois outros foram feridos", declarou na quarta-feira John Kirby, porta-voz do Departamento da Defesa norte-americano.

O conflito ucraniano foi desencadeado logo após a anexação russa da Crimeia, na sequência de uma revolta "pró-ocidental" em Kiev e que afastou do poder o então Presidente Viktor Ianukovich, considerado um aliado do Kremlin.

A guerra provocou mais de 13.000 mortos desde a primavera de 2014.

  • Regresso ao futuro

    Opinião

    "Queremos assegurar que os novos líderes estão unidos por um conjunto de valores que torna claro que a liderança não é sobre ego" (David Simas, Presidente da Fundação Obama)

    Germano Almeida