Mundo

Morte de mais um jovem afro-americano intensifica protestos em Minneapolis

A mãe da vítima terá acompanhado, através do telemóvel, os últimos momentos da vida do filho.

A morte de um jovem afro-americano, baleado pela polícia, gerou confrontos nas ruas de Minneapolis – a mesma cidade onde morreu George Floyd há quase um ano. As autoridades decretaram recolher obrigatório durante a madrugada.

Os protestos contra a violência policial acompanhavam o julgamento de Derek Chauvin, o agente acusado de homicídio de George Floyd, que decorre num tribunal nas imediações. A notícia da morte de mais um afro-americano interpelado pela polícia, colocou de novo o Minnesota sob os holofotes.

A mãe da vítima terá acompanhado, através do telemóvel, os últimos momentos da vida do filho, até o telemóvel ser desligado. Quando voltou a ligar, o filho já tinha sido baleado.

De acordo com a polícia, os dois agentes envolvidos tinham câmaras instaladas nos uniformes. As divulgação das imagens já foi solicitada.

Para tentar travar novos incidentes com manifestantes, foi imposto um recolher obrigatório. Esta segunda-feira, os elementos da Guarda Nacional foram também destacados para o local.

  • Confidentes de alunos e cúmplices de professores: o braço contínuo

    País

    Chamam-lhes “funcionários” porque funcionam. A expressão até parece sugerir que eles são os únicos que “funcionam”, dentro de uma escola. Acalmem-se os tolos. Significa apenas que os “assistentes operacionais”, ou “auxiliares de ação educativa”, títulos mais pomposos do que “contínuos” – expressão que estimo muito - são pau para toda a colher.

    Opinião

    Rui Correia

  • O planeta em que todos vivemos

    Futuro Hoje

    O Planeta Lourenço terá que ser ainda mais simples e eficaz na mensagem. É um risco. Frequentemente, quando me mostram aparelhos ou programas as coisas falham, é o que chamo de síndrome da demonstração. Mas isto acontece na vida real, é assim que vamos fazer.

    Opinião

    Lourenço Medeiros