Mundo

Polícia do Capitólio foi avisada do ataque mas teve ordem para não agir agressivamente

Jose Luis Magana

Relatório revela que os avisos eram explícitos sobre a potencial violência dos apoiantes de Trump.

A Polícia do Capitólio dos Estados Unidos foi avisada "claramente" e antecipadamente sobre a violência dos atacantes em 06 de janeiro, mas os seus comandantes ordenaram aos oficiais que não usassem as suas táticas "mais agressivas" contra os manifestantes.

Estas são as conclusões de um novo relatório de 104 páginas sobre o ataque ao Capitólio, preparado pelo inspector-geral, Michael A. Bolton, que foi tornado público hoje pelo The New York Times.

O documento, que será apresentado na quinta-feira no Capitólio, critica a forma como a Polícia do Capitólio se preparou e respondeu à violência dos manifestantes em 06 de janeiro.

Bolton descobriu que os oficiais de segurança da instituição não se prepararam adequadamente, apesar dos avisos explícitos de que os extremistas pró-Trump representavam uma ameaça para a aplicação da lei e para os civis e que a polícia utilizava equipamento de proteção defeituoso.

Descobriu também que os responsáveis ordenaram à sua Unidade de Perturbação Civil que se abstivesse de usar as suas armas de controlo de multidões mais poderosas, tais como granadas paralisantes, para reprimir o ataque.

Três dias antes do cerco, um relatório dos serviços secretos da Polícia do Capitólio alertou para a violência dos apoiantes do Presidente Donald J. Trump que acreditavam nas suas falsas alegações de que a eleição tinha sido roubada.

"Ao contrário de anteriores protestos pós-eleitorais, os alvos dos apoiantes de Trump não eram contra-protestantes como tinham sido anteriormente, mas o próprio Congresso era o alvo claro", lê-se no relatório sobre as ameaças detetadas, de acordo com o inspector-geral.

Os protestos liderados pelo movimento "Stop the Steal" poderiam atrair supremacistas brancos, membros das milícias e outros que promovem ativamente a violência e poderiam conduzir a uma situação significativamente perigosa para a aplicação da lei e o público em geral, acrescenta Bolton.

O ataque sem precedentes ao Capitólio em Washington causou a morte de um agente da polícia da instituição e de quatro outros civis.