Mundo

A dança num evento oficial que está a causar polémica na Austrália

@ALEXBRUCESMITH/TWITTER

Um grupo de bailarinas foi contratado para dançar num evento da Marinha na Austrália. Mas os movimentos e as roupas utilizados na apresentação chocaram milhares de pessoas.

A apresentação de uma coreografia pelo grupo 101 Doll Squadron num evento da Marinha australiana, na passada quinta-feira, está a gerar polémica.

Sete mulheres realizaram uma dança que incluiu twerk - um estilo de dança em que os movimentos se concentram nos quadris - em frente ao navio HMAS Supply. As imagens foram divulgadas pela estação de televisão australiana ABC (Australian Broadcasting Corp).

O vídeo da performance do grupo 101 Doll Squadron gerou críticas, algumas delas consideravam a dança demasiado sensual para uma ocasião formal.

Segundo a agência Reuters, a estação de televisão que divulgou as imagens da dança cortou as cenas em que as bailarinas dançavam, intercalando-as com a imagem de figuras que viriam a estar presentes no evento, nomeadamente o governador-geral David Hurley, representante da Rainha Isabel II na Austrália.

No entanto, o governador não teria sequer chegado na altura em que as bailarinas estavam a apresentar a dança, de acordo com um porta-voz da Defesa Australiana.

O grupo de dança, que terá sido contratado pelo reconhecimento na comunidade local, contestou a ABC, argumentando que a reportagem era "enganadora".

"Os media que pretendem apoiar as mulheres têm sido os mais violentos", alegou o grupo num comunicado.

Em reação ao caso, o primeiro-ministro da Austrália, Scott Morrison, disse estar desapontado com a "reportagem incorreta" que enganou as pessoas.

"Acho que foi desrespeitoso para com as artistas surgerir que o Governador-Geral ou outros estivessem presentes", afirmou numa conferência de imprensa em Perth.

Numa nota, a ABC informou que já corrigiu a reportagem para não dar a entender que o governador-geral e o chefe da Marinha estavam a assistir à performance de dança e pediu desculpa aos telespectadores.

Vários políticos conservadores criticaram a atuação, que consideraram uma exibição inadequada a um evento militar. A senadora Jacqui Lambie, uma veterana do Exército, disse que a apresentação era "um choque absoluto" que vinha de uma decisão de liderança militar e que parecia que estava a assistir ao intervalo do Super Bowl, escreve a BBC.

"Estar meia vestida do lado de fora de um navio de guerra é provavelmente inapropriado", apontou.

Sexualização das bailarinas

Para além de acusarem a ABC de edição enganosa, as bailarinas do 101 Doll Squadron disseram que a estação de televisão "filmou a partir de ângulos que não podiam ser vistos pelo público".

"Achamos isto muito assustador e reflete mais sobre o operador de câmara da ABC e a sua necessidade de sexualizar as mulheres e para sua própria gratificação", escreveram numa declaração.

As bailarinas dizem-se vítimas de ataques online, que as fizeram sentir "ameaçadas e exploradas".

Um site astraliano pela defesa das mulheres publicou um artigo que diz que foi a Marinha que tornou o momento bizarro e que tornou a forma de arte das bailarinas em algo ridículo.

"No fim do dia, estas mulheres estavam apenas a fazer o seu trabalho".

O 101 Doll Squadron é um grupo de dança comunitário com membros de origens indígenas e multirraciais, especializado em dancehall, reggae, afrobeats, jazz comercial e hip hop.