Mundo

Número recorde de candidatos nas eleições locais para mayor de Londres 

RICHARD LEWIS/ AP

Eleições locais decorrem na quinta-feira.

Um número recorde de 20 candidatos a Presidente da Câmara Municipal de Londres, muitos dos quais completos desconhecidos, disputa as eleições locais de quinta-feira, suspensas desde o ano passado.

Sadiq Khan, do Partido Trabalhista, vai lutar por um segundo mandato, enquanto Shaun Bailey pretende recuperar para o Partido Conservador o poder na capital britânica, ocupado entre 2008 e 2016 pelo atual primeiro-ministro, Boris Johnson.

Os dois principais candidatos - ambos com 50 anos, o primeiro de origem paquistanesa e o segundo com raízes jamaicanas -- refletem a importância que a diversidade cultural tem em Londres, uma exceção no contexto eleitoral britânico.

O caráter cosmopolita da cidade reflete-se na sua população: apenas 45% dos habitantes se declararam "brancos britânicos", de acordo com o recenseamento de 2011.

Estas eleições acontecem também numa altura em que o movimento 'Black Lives Matter' reacendeu o debate sobre racismo e colonialismo num país onde a política ainda continua a ser dominada por uma elite formada em escolas privadas e nas universidades de Cambridge e Oxford.

Khan, filho de um motorista de autocarro, já fez história ao tornar-se o primeiro presidente de câmara muçulmano de uma grande capital ocidental, enquanto Bailey quer ser "o primeiro 'mayor' negro de Londres".

Pró-europeu assumido, conhecido por, no primeiro mandato, congelar o preço dos transportes públicos e criar zonas de emissões baixas para reduzir a poluição automóvel, Sadiq Khan adotou para esta campanha o lema "empregos, empregos, empregos" com o objetivo de revitalizar a economia do impacto da pandemia covid-19 e do 'Brexit'.

O conservador Shaun Bailey tem procurado fazer campanha sobre a necessidade de reforçar a segurança na capital, uma das principais preocupações dos eleitores, e construir mais habitação a preços acessíveis.

A sua popularidade tem subido, mas as sondagens continuam a dar uma vantagem significativa ao rival do 'Labour'.

Os Liberais Democratas e Verdes vão tentar manter alguns dos 25 assentos na poderosa Assembleia Municipal de Londres, mas estas eleições são também uma plataforma para uma série de pequenos e novos partidos e candidatos independentes.

Um dos mais conhecidos, embora apareça sempre de cara escondida atrás de uma máscara em forma de caixote do lixo, é Count Binface [Conde Cara de Caixote], anteriormente conhecido como Lord Buckethead [Lorde Cabeça de Caixote], que concorreu a deputado contra Theresa May em 2017 e Boris Johnson em 2019.

Entre as promessas estão proibir a venda de croissants por mais de uma libra ou dar um pedestal ao ambientalista David Attenborough em Trafalgar Square, "ou a uma estátua dele".

Na lista estão também Piers Corbyn, irmão do antigo líder trabalhista Jeremy Corbyn, um negacionista das alterações climáticas e ativista contra as restrições para combater a transmissão da covid-19, e o ator Laurence Fox, do partido Reclaim, conhecido pelos suas opiniões anti-vacinas e anti-confinamentos.

Outros candidatos são Max Fosh, um 'YouTuber', que quer sobretudo "ter mais votos do que Laurence Fox", e Richard Hewison, que representa o Rejoin Party, um partido a favor da adesão do Reino Unido à União Europeia (UE).

Mas usar as eleições como sátira ou como promoção pessoal não é barato: para participar é preciso pagar 10 mil libras (12 mil euros) e a quantia só é devolvida aos candidatos que obtiverem pelo menos 5% dos cerca de seis milhões de votos, ou seja, 300 mil votos.