Mundo

Ciberataque a oleoduto dos EUA ligado a grupo criminoso

JIM LO SCALZO

Terceiro dia de paralisação dos oleodutos da Colonial.

O ciberataque e a tentativa de extorsão que forçou o encerramento de um oleoduto vital nos EUA foi realizada por um grupo de criminosos conhecido como DarkSide, que atua à imagem de Robin Hood de roubar grandes empresas e dar uma parte à caridade, concluiu uma investigação.

Na sexta-feira, a Colonial, a maior rede de oleodutos dos Estados Unidos, viu-se obrigada a suspender as operações nos 8.850 quilómetros de oleodutos que administra e que são essenciais para abastecer os grandes centros populacionais do leste e do sul do país.

A empresa transporta até 2,5 milhões de barris de gasolina, gasóleo e combustível de aviação por dia das refinarias no Golfo do México para as grandes cidades no sul e leste dos Estados Unidos.

É responsável por 45% do transporte de combustíveis para o litoral leste do país, segundo indica no seu site.

Num comunicado emitido na sexta-feira, a Colonial revelou que naquele mesmo dia detetou um ataque cibernético e decidiu interromper as operações em toda a rede de gasodutos para evitar mais danos nos sistemas de computador, mas não revelou quanto tempo é que as operações poderão estar paradas.

A última vez que a Colonial teve que interromper as suas linhas de transporte de combustível foi durante o furacão Harvey, que atingiu o Golfo do México, em 2017.

Nessa altura, os preços da gasolina atingiram o pico em cinco anos e os preços do gasóleo atingiram o pico em quatro anos.