Mundo

Bilionário japonês é o próximo turista espacial a bordo da Estação Internacional

Kim Kyung Hoon

Planeia ainda levar oito pessoas consigo numa outra aventura espacial: uma viagem até à Lua prevista para 2023 através da SpaceX.

O bilionário japonês Yusaku Maezawa e o seu assistente Yozo Hirano serão os próximos turistas espaciais a permanecerem a bordo da Estação Espacial Internacional (ISS, na sigla em inglês), anunciou esta quinta-feira a agência espacial russa Roscosmos.

"A duração da viagem espacial será de 12 dias", precisou a agência espacial russa que irá coordenar a missão de colocar os dois homens em órbita, operação prevista para dezembro.

"O comandante da tripulação será o cosmonauta da Roscosmos Alexandre Missourkine", adiantou a agência russa numa nota divulgada na sua página na Internet, acrescentando que o processo de formação da tripulação terá início em junho e que o voo está previsto para 08 de dezembro.

Este excêntrico bilionário nipónico, que fez fortuna na área do comércio 'online', em particular com a comercialização de vestuário, planeia ainda levar outras oito pessoas consigo numa outra aventura espacial: uma viagem até à Lua prevista para 2023 através da SpaceX, empresa aeroespacial fundada pelo conhecido empresário Elon Musk.

"Estou tão curioso sobre como é a vida no espaço que tenciono descobri-la por mim próprio e partilhá-la com o mundo no meu canal do YouTube [plataforma de partilha de vídeos]", afirmou Yusaku Maezawa, citado pelas agências internacionais.

A aposta da Roscosmos nestas expedições turísticas à ISS ocorre após a agência espacial russa ter perdido, em 2020, o monopólio dos voos tripulados perante o sucesso da SpaceX, de Elon Musk, situação que implicou perdas financeiras inesperadas, nomeadamente dos ganhos que estavam associados aos lugares adquiridos pelas agências espaciais norte-americana e europeia.

  • O planeta em que todos vivemos

    Futuro Hoje

    O Planeta Lourenço terá que ser ainda mais simples e eficaz na mensagem. É um risco. Frequentemente, quando me mostram aparelhos ou programas as coisas falham, é o que chamo de síndrome da demonstração. Mas isto acontece na vida real, é assim que vamos fazer.

    Opinião

    Lourenço Medeiros