Mundo

Ministro dos Negócios Estrangeiros marroquino nega contactos com Espanha para ultrapassar crise política

Canva

"Ao contrário do que diz a ministra não houve contactos desde o início da crise", afirmou o ministro Nasser Burita.

O ministro marroquino dos Negócios Estrangeiros disse, este domingo, que "não há contacto com Espanha desde a crise atual", causada pela entrada em território espanhol do Secretário-Geral da Frente Polisario, Brahim Ghali, para ser hospitalizado em Logroño.

O ministro Nasser Burita, entrevistado pela estação de rádio francesa Europe 1, negou explicitamente o que disse a ministra espanhola, Arancha Gonzalez-Laya, que, este domingo de manhã, afirmou na Rádio Nacional de Espanha que os dois países estavam em conversações.

"Ao contrário do que diz a ministra não houve contactos desde o início da crise [em meados de abril] e, ao contrário também do que diz, nunca fomos informados sobre a chegada deste indivíduo" a Espanha, assegurou o ministro marroquino.

Nasser Burita fez a distinção entre a União Europeia e a maioria dos seus estados-membros, com os quais existem "muito boas relações", e "uma atitude hostil da Espanha" que na sua opinião criou esta crise bilateral.

"Hoje existe um problema de confiança e respeito mútuo com Espanha", acrescentou, mais explicitamente nos últimos dias: "Cabe agora à Espanha encontrar uma solução. Se optar pela saída [de Ghali] da mesma forma que entrou, estará a procurar agravar a crise ou mesmo a rutura".

As palavras do ministro marroquino à estação de rádio francesa chegam após quase 24 horas de ausência de declarações, depois de uma semana agitada com constantes mensagens de aviso à Espanha sobre o destino de Ghali.

Marrocos aceitou, entretanto, o regresso de 7.500 pessoas das quase 9.000 que entraram na cidade de Ceuta, entre os que partiram voluntariamente e os forçados a regressar, de acordo com os números da Delegação do Governo em Ceuta e sem que Marrocos tivesse oferecido a mínima informação sobre o assunto.

No sábado, o Presidente do Governo, Saadedin Otmani, referiu-se à crise com Espanha, mas ignorou a crise migratória, concentrando-se antes em pedir aos países europeus "discursos claros" sobre o Saara Ocidental e recordou, numa alusão óbvia à Espanha, que Marrocos nunca tinha aceitado apoiar o separatismo catalão.

  • Confidentes de alunos e cúmplices de professores: o braço contínuo

    País

    Chamam-lhes “funcionários” porque funcionam. A expressão até parece sugerir que eles são os únicos que “funcionam”, dentro de uma escola. Acalmem-se os tolos. Significa apenas que os “assistentes operacionais”, ou “auxiliares de ação educativa”, títulos mais pomposos do que “contínuos” – expressão que estimo muito - são pau para toda a colher.

    Opinião

    Rui Correia

  • O planeta em que todos vivemos

    Futuro Hoje

    O Planeta Lourenço terá que ser ainda mais simples e eficaz na mensagem. É um risco. Frequentemente, quando me mostram aparelhos ou programas as coisas falham, é o que chamo de síndrome da demonstração. Mas isto acontece na vida real, é assim que vamos fazer.

    Opinião

    Lourenço Medeiros