Mundo

Navio "Ever Given", que bloqueou canal do Suez, retoma viagem 100 dias depois

MAXAR TECHNOLOGIES HANDOUT

Navio estava retido desde março após ter bloqueado aquela via de navegação crucial para o comércio internacional.

O porta-contentores "Ever Given", que bloqueou o canal do Suez em março, levantou esta quarta-feira âncora após 100 dias de imobilização no Egito e da assinatura do acordo de indemnização pelo proprietário japonês do navio às autoridades egípcias.

O canal do Suez, ponto de passagem de cerca de 10% do comércio mundial, segundo especialistas, ficou bloqueado durante seis dias em março, causando uma grave interrupção no tráfego marítimo.

O navio gigante, com capacidade para 200.000 toneladas, começou a deslocar-se para norte, em direção ao Mediterrâneo, pouco depois das 11:30 locais (10:30 em Lisboa) e após longas negociações sobre as indemnizações.

Numa cerimónia nas margens do canal, a Autoridade do Canal do Suez (SCA, na sigla em inglês) assinou um acordo de compensação com o proprietário japonês do navio, Shoei Kisen Kaisha, cujos termos foram mantidos em sigilo. O advogado da SCA, Khaled Abou Bakr, insistiu num discurso pouco antes da assinatura sobre a "confidencialidade" do acordo.

No domingo, o presidente da SCA, Osama Rabie, indicou em entrevista televisiva que o Egito receberia, além da compensação financeira, um rebocador com uma capacidade de 75 toneladas do dono do "Ever Given".

O país reivindicou inicialmente 916 milhões de dólares (cerca de 767 milhões de euros), antes de reanalisar as reivindicações para 600 e depois para 550 milhões de dólares (cerca de 420 milhões de euros).

A "dificuldade das negociações foi conciliar posições"

Em conferência de imprensa realizada esta quarta-feira, Rabie disse que a "dificuldade das negociações foi conciliar posições porque cada parte manteve a sua posição de início".

Anteriormente, Rabie tinha anunciado "ao mundo" a conclusão do acordo, com a bandeira egípcia e a japonesa como pano de fundo, ao vivo na televisão egípcia, considerando o incidente do "Ever Given" um "teste difícil" para o Egito "perante o olhar de todo o mundo".

As imagens deste navio, um dos maiores do mundo, parado durante quase uma semana naquela crucial rota marítima, em março, tiveram um grande impacto nas redes sociais e meios de comunicação de todo o mundo.

O acordo de compensação foi anunciado no domingo pelas autoridades egípcias, abrindo caminho para a saída do navio. O tribunal económico de Ismailia pôs fim à apreensão protetora do navio na terça-feira.

Navio bloqueou o tráfego, operações de limpeza duraram seis dias e o Egito perdeu entre 10 a 12,6 milhões de euros cada um

O navio gigante, com bandeira do Panamá e operado pela empresa taiwanesa Evergreen Marine Corporation, ficou atravessado no canal, no dia 23 de março, bloqueando todo o tráfego.

As operações de limpeza, que duraram seis dias, envolveram mais de dez rebocadores, além de dragas para cavar o fundo do canal. O "Ever Given" foi então direcionado para o grande lago Amer, no centro do canal, pelas autoridades egípcias que exigiram uma indemnização do proprietário do navio, pela perda de receitas durante o incidente, o custo de resgate e os danos no canal.

De acordo com a SCA, o Egito perdeu entre 10 a 12,6 milhões de euros por dia. Além disso, um funcionário da SCA morreu durante as operações de reflutuação do navio e o revestimento da costa foi danificado.

Um total de 422 navios carregados com 26 milhões de toneladas de carga ficaram bloqueados. De acordo com a seguradora Allianz, as perdas atingiram 5.000 a 8.4000 milhões de euros para o comércio marítimo global.

Um acordo "inicial" de indemnização foi anunciado no final de junho entre o Egito e o dono do navio, sem que o valor fosse especificado.

O canal do Suez é uma das principais fontes de receita do país, já que entre 2019 e 2020 rendeu aos cofres do Estado cerca de 4.800 milhões de euros.

Quase 19.000 navios usaram o canal em 2020, de acordo com a SCA, uma média de 51,5 navios por dia.

Após o bloqueio, o Presidente egípcio, Abdel Fattah al-Sisi, prometeu que o país iria adquirir equipamentos mais adequados para enfrentar situações semelhantes.