Mundo

Cuba. "Problema político não pode ser ignorado. Muitas palavras de ordem não têm a ver com economia"

Opinião

Nuno Rogeiro, comentador da SIC, analisa, na Edição da Noite, os protestos em Cuba.

Nuno Rogeiro, comentador da SIC, salienta que além da crise económica, a situação política também contribuiu para os protestos em Cuba.

"O problema político não pode ser ignorado, muitas das palavras de ordem que são gritadas não tem a ver com a economia", afirma.

Na Edição da Noite, referiu também que o povo cubano tinha expectativas em se poder "manifestar livremente com a saída da família Castro do poder". No entanto, descobriu que continua a haver repressão, explicou.

O comentador da SIC mostrou um mapa que mostra que as manifestações alastraram a toda a ilha, além da cidade de Havana. E ainda um vídeo em que o povo entra numa igreja, vai buscar a padroeira e diz "liberdade".

Protestos em cuba são os maiores desde 1994

Numa rara manifestação pública de desacordo em relação ao regime, milhares de cubanos saíram às ruas em protesto. As manifestações ocorreram um pouco por toda a ilha e também em Miami, nos Estados Unidos, onde vivem milhares de cubanos.

As manifestações que terão apanhado de surpresa o regime cubano, sobretudo pelo facto de terem acontecido também fora da capital, Havana, surgem num momento particularmente difícil para Cuba.

Além da crise pandémica, o país atravessa a mais grave crise económica desde o início dos anos 90, quando o colapso da aliada União Soviética deixou a ilha praticamente à deriva, ainda mais refém do bloqueio económico dos Estados Unidos, sem capacidade de escoar a produção de açúcar, o principal recurso, e com grandes dificuldades em importar bens essenciais, como petróleo.