Mundo

EUA analisam criação de "linha direta de emergência" com a China para reduzir risco de conflito

Joe Biden e Xi Jingping, em Pequim, em 2013.

POOL New

Semelhante ao telefone vermelho estabelecido entre EUA e União Soviética durante a Guerra Fria para evitar uma guerra nuclear.

Os Estados Unidos estão a analisar a criação de uma linha direta de emergência com o Governo chinês, semelhante ao 'telefone vermelho' estabelecido entre EUA e União Soviética durante a Guerra Fria, para evitar uma guerra nuclear.

Embora a ideia ainda esteja em preparação e ainda não tenha sido formalmente abordada na China, Joe Biden quer desenvolver uma linha direta rápida para reduzir o risco de conflito entre Washington e Pequim, noticiou hoje a CNN.

A cadeia de televisão norte-americana, que cita pessoas envolvidas nas conversações sobre o dispositivo, afirma que uma linha direta para Pequim permitiria a Biden, ou a altos funcionários da sua equipa de segurança nacional, fazer imediatamente chamadas telefónicas ou enviar mensagens encriptadas ao Presidente chinês, Xi Jinping, ou aos seus colaboradores mais próximos.

Por exemplo, poderia ser partilhada informação urgente sobre movimentos militares súbitos ou mensagens de aviso sobre ciberataques.

A ideia de estabelecer uma linha direta com Pequim remonta pelo menos até à administração Barack Obama, embora o conceito só tenha tomado forma num memorando classificado de segurança nacional no último ano da administração de Donald Trump, de acordo com uma fonte familiarizada com o assunto, acrescentou a CNN.

Os funcionários da administração Biden prosseguiram a ideia, segundo as mesmas fontes, mas ainda há muitos detalhes a serem trabalhados, inclusive se os chineses concordariam com a instalação do dispositivo.

Os EUA há muito que têm dificuldade em obter respostas rápidas de Pequim quando se trata de assuntos urgentes, disseram os funcionários norte-americanos à CNN, pelo que este sistema poderia melhorar as comunicações.

A CNN assinalou que já existe uma linha direta semelhante entre as autoridades chinesas e o Pentágono, mas utilizada exclusivamente para assuntos militares.