Mundo

Bolsonaro prepara remodelação do Governo para reforçar apoio no Congresso brasileiro

Amanda Perobelli

Chefe de Estado brasileiro disse que os novos ministros foram escolhidos com "critérios técnicos", mas não deu detalhes específicos sobre as possíveis mudanças.

O Presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, anunciou esta qarta-feira que prepara uma nova e pequena remodelação governametal para fortalecer a relação do Governo com o Congresso.

"Estamos a trabalhar, inclusive, uma pequena mudança ministerial, que deve ocorrer na segunda-feira, para ser mais preciso, e para a gente continuar aqui administrando o Brasil. Temos uma enorme responsabilidade, sabia que o trabalho não ia ser fácil, mas realmente é muito difícil. Não recomendo essa cadeira para os meus amigos", afirmou Bolsonaro, numa entrevista à rádio Jovem Pan de Itapetininga.

O chefe de Estado brasileiro disse que os novos ministros foram escolhidos com "critérios técnicos", mas não deu detalhes específicos sobre as possíveis mudanças.

Segundo os 'media' locais, a reforma pode afetar os ministérios da Casa Civil e a Secretaria-Geral, ambos ligados ao gabinete da Presidência da República.

Governo brasileiro está politicamente fragilizado

A mudança ocorre num momento em que o Governo brasileiro está politicamente fragilizado devido a escândalos de corrupção na gestão da pandemia e sucessivas crises administrativas e, portanto, precisa reforçar o apoio do chamado 'centrão', um grupo de partidos políticos de formações pragmáticas de direita e centro-direita mais moderadas, com amplo controlo do Congresso e que Bolsonaro pretende usar como plataforma nas eleições presidenciais de 2022.

O apoio do 'centrão' também é fundamental para evitar um eventual processo de destituição do Presidente em meio a dezenas de petições apresentadas com este objetivo e que estão paradas no Congresso brasileiro.

Bolsonaro já fez duas remodelações no Governo este ano, a última em março, quando anunciou a mudança de seis ministros, incluindo o Ministério das Relações Exteriores e a "substituição" dos chefes das três Forças Armadas, que são um dos pilares da sua gestão.