Mundo

Partido Social-Democrata vence eleições na Alemanha com 25,7%

MAJA HITIJ/ POOL

De acordo com uma contagem oficial provisória anunciada pela Comissão Eleitoral Federal.

O Partido Social-Democrata (SPD) venceu as eleições parlamentares alemãs, que marcaram o fim da era de Angela Merkel, com 25,7% dos votos, de acordo com uma contagem oficial provisória anunciada esta segunda-feira pela Comissão Eleitoral Federal.

A aliança conservadora CDU/CSU, liderada por Armin Laschet, ganhou com 24,1% dos votos, o pior resultado da sua história. Já os Verdes ficaram em terceiro lugar com 14,8%, seguidos pelo partido liberal FDP com 11,5%.

Esta disputa eleitoral será conquistada por quem conseguir construir uma coligação maioritária entre pelo menos três formações partidárias, após negociações que terão início esta segunda-feira.

Só depois dos membros do Bundestag designarem formalmente o seu sucessor, o que poderá acontecer dentro de várias semanas ou mesmo de meses, Angela Merkel poderá retirar-se do centro da política alemã.

Olaf Scholz considera resultado um "sucesso" para o SPD

Pouco depois do encerramento das urnas, o candidato social-democrata Olaf Scholz disse que o resultado é um "sucesso" para o SPD - que conseguiu o melhor resultado desde Gerard Schroder - e que os alemães desejam-no para chanceler da Alemanha.

Apesar da curta vantagem do SPD, os democratas cristãos dizem que têm condições para formar governo, tudo dependendo das alianças que conseguir alcançar.

"Nós vamos fazer tudo para podermos formar um Governo dirigido pela aliança CDU/CSU", disse Laschet.

Agora tudo vai depender das negociações com os outros partidos, sobretudo com os Verdes e com os liberais do FDP.

Em 2017, as negociações com vista à formação do Governo prolongaram-se durante mais de 200 dias.

  • Vamos falar de jejum: era capaz de ficar 16 horas por dia sem comer?

    País

    O jejum intermitente é um regime alimentar que impõe um período de restrição alimentar. Existem vários modelos, mas o mais conhecido é dividido em 16 horas de jejum e oito horas em que pode comer livremente. Os especialistas reconhecem benefícios nesta prática, mas afirmam que a investigação científica ainda é escassa.

    Exclusivo Online

    Filipa Traqueia