Mundo

Mais de 300 mil vítimas de abusos sexuais da Igreja Católica em França

Relatório sobre pedofilia responsabiliza diretamente cléricos e religiosos por 216 mil vítimas.

Mais de 300 mil menores foram abusados e agredidos em instituições da Igreja Católica francesa, segundo um relatório sobre pedofilia divulgado esta terça-feira e que responsabiliza diretamente cléricos e religiosos por 216 mil vítimas.

De acordo com o relatório, cerca de 216 mil crianças ou adolescentes foram abusados ou agredidos sexualmente por clérigos católicos ou religiosos em França entre 1950 e 2020.

O número de vítimas sobe para 330.000 quando considerados "agressores leigos que trabalham em instituições da Igreja Católica", nomeadamente nas capelanias, professores nas escolas católicas ou em movimentos juvenis, disse o presidente da Comissão Independente sobre os Abusos da Igreja (Ciase), Jean-Marc Sauvé, durante a apresentação do relatório à imprensa.

Desde 1950 terá havido "entre 2.900 e 3.200 pedófilos" na Igreja Católica francesa

O presidente da comissão nacional de investigação da criminalidade pedófila na Igreja em França avançou no domingo ter havido "entre 2.900 e 3.200 criminosos pedófilos", homens - padres ou religiosos - na Igreja Católica no país desde 1950.

"É uma estimativa mínima", baseada no censo e na análise dos arquivos (Igreja, justiça, polícia judiciária e imprensa) e nos testemunhos recebidos por este organismo, afirmou o responsável à agência noticiosa France-Presse (AFP).

Ao longo deste período de 70 anos a população geral de padres ou de religiosos no país cifra-se nos 115.000.

Após dois anos e meio de trabalho, a Comissão Independente sobre o Abuso Sexual na Igreja (ICAS) publica as conclusões esta terça-feira num relatório que chega às "2.500 páginas", disse.

O relatório dá uma visão quantitativa do fenómeno, incluindo o número de vítimas e compara a prevalência da violência sexual na Igreja com a identificada noutras instituições (associações desportivas, escolas) e no círculo familiar.

A comissão avalia ainda os "mecanismos, particularmente institucionais e culturais" e apresenta 45 propostas.