Mundo

Estados Unidos e China concordam respeitar acordo sobre Taiwan

Joe Biden e Xi Jingping, em Pequim, em 2013.

POOL New

O Presidente dos Estados Unidos disse ter falado com o homólogo chinês sobre Taiwan.

O Presidente dos Estados Unidos disse ter falado com o homólogo chinês sobre Taiwan e que tinham concordado em respeitar o 'status quo', quando as tensões entre Pequim e Taipé estão a aumentar.

"Falei com Xi [Jinping] sobre Taiwan. Concordámos... em cumprir o acordo sobre Taiwan. Deixámos claro que não creio que [ele] deva fazer outra coisa que não seja cumprir o acordo", disse Joe Biden aos jornalistas, na terça-feira, em Washington, de acordo com a agência de notícias EFE.

Biden parecia referir-se ao 'status quo' entre os EUA e a China, no qual Washington reconhece, desde 1979, Pequim como o único Governo chinês, com o entendimento de que Taiwan terá um futuro pacífico.

Esta política é conhecida como "uma só China" e foi adotada pelo antigo Presidente Jimmy Carter.

Ao abrigo desta política, os Estados Unidos garantem apoio político e militar a Taiwan, mas não prometem explicitamente defender a ilha de um ataque da China, de acordo com a agência de notícias Associated Press (AP).

A chamada entre Biden e Xi surgiu depois de Taiwan ter afirmado que as relações com Pequim atravessam "o pior momento em 40 anos" e denunciado que 150 caças chineses entraram na Zona de Identificação de Defesa Aérea (ADIZ) da ilha, nos últimos dias.

O Ministro da Defesa taiwanês, Chiu Kuo-cheng, afirmou que a China será "capaz de encenar uma invasão em grande escala" da ilha até 2025.

Taiwan é governada de forma autónoma desde 1949, data em que as forças nacionalistas do Kuomintang ali se refugiaram depois de terem sido derrotados pelas tropas comunistas, que fundaram, no continente, a República Popular da China.

Pequim considera Taiwan parte da China, a reunificar, se necessário, pela força.7