Mundo

Menina de 4 anos desaparece durante acampamento com os pais

Facebook - Western Australia Police Force

O caso está a preocupar a Austrália.

As autoridades australianas estão à procura de uma criança de quatro anos, que desapareceu, no passado sábado de manhã, de uma zona de campismo remota, localizada na zona oeste da Austrália. Cleo Smith estava a passar férias com os pais e a irmã.

Ellie Smith, mãe de Cleo, deitou a filha depois do jantar, num quarto da tenda separado do dos pais. Voltou a ver a criança pelas 01:30, quando esta se levantou para beber água. Às 06:00, quando foi dar o biberão à filha mais nova, Ellie reparou que a tenda estava aberta e que não havia sinal de Cleo, nem do saco de cama onde dormia.

Depois de procurarem nas redondezas, os pais chamaram as autoridades, que desencadearam uma operação de buscas pela zona de Quobba Blowhole. Segundo a polícia, “bastantes pessoas” acamparam nesta área durante o fim de semana e, por isso, estão a “localizar e seguir” todas as pessoas que lá estiveram durante a noite de sexta-feira.

As autoridades não divulgaram qualquer informação sobre o que pode ter acontecido à criança, mas garantem que irão investigar toda a zona, não deixando de fora qualquer detalhe. Ellie Smith afirma que os últimos dias têm disso “horrendos” e que não têm conseguido dormir.

“Toda a gente nos pergunta se precisamos de alguma coisa e tudo o que precisamos é da nossa menina em casa. A pior parte é que não conseguimos fazer mais. Está fora das nossas mãos e sentimo-nos tão desesperados e fora do controlo”, partilhou numa conferência de imprensa emotiva.

O mau tempo tem prejudicado as busca, no entanto as autoridades têm "varrido" as praias desertas e o mar, procurando por sinais da criança. A operação conta com o apoio de helicóptero.

A região de Quobba Blowhole, situada a cerca de 900 quilómetros de Perth, é uma zona que atrai muitas pessoas devido às paisagem sobre o mar, as grutas marítimas e as lagoas.

  • Esqueçam o atrás...

    Tenham noção

    O recado de Rodrigo Guedes de Carvalho sobre redundâncias. Tenham noção que dizer ou escrever "há cinco anos atrás", "subir para cima" ou "descer para baixo" é desnecessário.

    SIC Notícias