Mundo

União Europeia deixa aviso a Elon Musk após compra do Twitter 

União Europeia deixa aviso a Elon Musk após compra do Twitter 

“Caberá ao Twitter adaptar-se… às nossas regras”, disse o comissário europeu para o Mercado Interno.

A União Europeia diz que Elon Musk vai ter de cumprir as regras dos serviços digitais da Europa, enquanto dono da rede social Twitter.  

O alerta foi dado esta terça-feira pelo porta-voz da Comissão Europeia para a Economia Digital, Johannes Bahrket, numa entrevista, e pelo comissário para o Mercado Interno, Thierry Breton.

Em entrevista à Reuters, Thierry Breton disse que Elon Musk podia adaptar o Twitter como desejasse, mas alertou o multimilionário sobre as regras rígidas da UE para as plataformas online combaterem o conteúdo ilegal.  

“Caberá ao Twitter adaptar-se… às nossas regras (…) Penso que o Elon Musk conhece muito bem a Europa. Ele sabe muito bem que nós temos algumas regras para a indústria automobilística… e ele percebe isso. Então na Europa, de modo a proteger a liberdade de expressão e cada individuo, qualquer empresa tem de cumprir esta obrigação”, disse Breton.  

A União Europeia tem regras segunda as quais o conteúdo proibido offline também é proibido online, lembra o comissário.  

Em causa está a promessa do empresário, de tornar a rede social com mais liberdade expressão e sem banir utilizadores. 

Quais serão as mudanças no Twitter sob a chefia de Elon Musk? 

O Twitter aceitou na segunda-feira a proposta de compra do empresário Elon Musk no valor de 44 mil milhões de dólares (41 mil milhões de euros). O fundador da Tesla já admitiu que pretende fazer mudanças na plataforma, tornando-a “melhor do que nunca”. 

O homem mais rico do mundo quer potenciar a rede social Twitter “com novas funcionalidades, tornando os algoritmos de fonte aberta para aumentar a confiança, derrotar os bots [perfis falsos] de spam [mensagens não solicitadas], e autenticar todos os humanos”. 

Elon Musk também pretende acabar com a censura na rede social, mas a sua visão para o novo rumo da plataforma está a preocupar alguns grupos de direitos humanos.  

Consideram que a falta de moderação pode levar a um aumento do discurso de ódio e temem o poder que essa decisão daria a Musk, que se autodenomina “absolutista da liberdade de expressão”. 

“Estamos preocupados com quaisquer medidas que o Twitter possa tomar para corroer a aplicação das políticas e dos mecanismos projetados para proteger os utilizadores”, disse a Amnistia Internacional numa publicação na rede social. 

Para o fundador da Tesla, as políticas da plataforma de moderação de conteúdo têm de ser alteradas, justificando que a rede social precisa de ser um fórum genuíno para a liberdade de expressão. 

Especialistas com dúvidas sobre promessas feitas

 Há especialistas que duvidam das promessas feitas por Elon Musk para a rede social.

Saiba mais:

Últimas Notícias
Mais Vistos