Mundo

A menina que não estava destinada ao trono

A menina que não estava destinada ao trono

Quinze datas na vida e no reinado de Isabel II, a rainha acidental.

Aos 96 anos, Isabel II é a rainha britânica com maior longevidade e também com o mais longo reinado, 70 anos, celebrados entre 2 e 5 de junho nas comemorações do Jubileu de Platina.

Datas que marcam a vida e o reinado da monarca

A 21 de abril de 1926, nasce Elizabeth Alexandra Mary na casa londrina do duque e da duquesa de York, os futuros rei George VI e rainha Elizabeth. A sua irmã Margarida nasce em 1930.

A jovem Isabel torna-se herdeira da coroa, a 12 de dezembro de 1936, quando o pai chega ao trono depois da abdicação inesperada do tio Eduardo VIII, que renuncia para casar com a norte-americana e divorciada Wallis Simpson.

Em 20 de novembro de 1947, Isabel casa-se com Filipe, um primo afastado que renuncia aos títulos de príncipe da Grécia e da Dinamarca e à carreira na Marinha Real britânica para se consagrar ao papel de príncipe consorte.

A cerimónia é relativamente discreta devido aos tempos de crise após a guerra, e a princesa tem que usar senhas de racionamento para pagar os tecidos do vestido. O casal vive em Malta entre 1949 e 1951, enquanto o príncipe Filipe cumpre uma comissão de serviço na Frota do Mediterrâneo.

Quando George VI morre, aos 56 anos, em 1952, Isabel torna-se rainha com apenas 25 anos, então mãe de dois filhos, Carlos (nascido em 1948) e Ana (1950). Teve mais dois filhos já em funções, André (1960) e Eduardo (1964).

A cerimónia da coroação, na Abadia de Westminster em 2 de junho de 1953, é transmitida pelo rádio em todo o mundo e, a pedido da rainha, pela primeira vez na televisão, atraindo uma audiência de milhões de pessoas. No exterior, multidões resistem à forte chuva para assistir à passagem da rainha.

Em 1977, a rainha celebra o Jubileu de prata (25 anos no trono), acompanhado por 500 milhões de espectadores na televisão.

No discurso de Natal de 1992, declara “annus horribilis” o período que ficou marcado pelo desmoronamento dos casamentos de três dos seus filhos, Carlos, Ana e André, e pelo devastador incêndio no Castelo de Windsor, uma das residências oficiais.

Em 1997, a rainha foi acusada de não estar em sintonia com a população que chorou a morte de Diana num acidente de viação em Paris, ao ter permanecido na propriedade rural na Escócia durante dias antes de regressar a Londres e agradecer pelas inúmeras flores e mensagens deixadas à porta do Palácio de Buckingham.

Em 2002, a monarca sofre um duplo golpe: a morte da irmã Margarida, a 9 de fevereiro, pouco antes da morte da mãe, a “rainha-mãe”, a 30 de março, aos 101 anos.

No ano de 2011, no mês de maio, Isabel II faz uma visita histórica de reconciliação à República da Irlanda, a primeira de um monarca britânico desde a independência em 1922.

Um ano depois, em junho de 2012, Londres celebra, durante quatro dias, o Jubileu de diamante, 60 anos de reinado da soberana.

A 9 de setembro de 2015, Isabel II torna-se na monarca britânica com mais longevidade da história, batendo a tetravó, a rainha Vitória.

A 31 de janeiro de 2020, após quatro anos de um processo político conturbado, o Reino Unido abandona a União Europeia e concretiza o ‘Brexit’, que divide a população britânica.

A 9 de abril de 2021, aos 99 anos, morre o marido de Isabel II, o príncipe Filipe.

A 6 de fevereiro de 2022, Isabel II torna-se na primeira monarca britânica a alcançar 70 anos de reinado.

Últimas Notícias
Mais Vistos