Mundo

Vários estados norte-americanos colocam restrições no uso do TikTok

Vários estados norte-americanos colocam restrições no uso do TikTok
Kiichiro Sato

Governadores dos EUA estão a proibir o TikTok em dispositivos do governo estadual e também as Forças Armadas restringiram o uso da aplicação nos dispositivos militares. O FBI já avisou que a China pode usar a aplicação para recolher dados sobre os utilizadores e usá-los em operações de espionagem tradicionais.

Maryland vai proibir o uso do TikTok e outras redes sociais baseadas na China e na Rússia na administração daquele Estado norte-americano, revelou esta terça-feira o governador, Larry Hogan, que apontou para um risco inaceitável de cibersegurança.

O responsável pelo Estado de Maryland anunciou uma diretiva de segurança cibernética de emergência, para proibir o uso das plataformas, alegando que estas podem estar envolvidas em espionagem cibernética, vigilância de entidades governamentais e recolha inadequada de informações pessoais confidenciais.

De acordo com a diretiva, as agências estatais devem remover qualquer um destes produtos das redes do Estado. As agências também são obrigadas a implementar medidas para impedir a instalação destes produtos e implementar restrições baseadas em rede para impedir o uso ou acesso a serviços proibidos.

Também esta terça-feira os representantes republicanos do Wisconsin no Congresso estatal pediram ao governador democrata Tony Evers que exclua a plataforma de vídeos TikTok de todos os dispositivos do governo, alertando para uma ameaça à segurança nacional.

O pedido ocorre uma semana depois da governadora de Dakota do Sul, a republicana Kristi Noem, ter proibido funcionários e contratados do Estado de aceder ao TikTok em dispositivos estatais, apontando para as ligações da plataforma à China.

O governador da Carolina do Sul, Henry McMaster, também republicano, proibiu na segunda-feira o TikTok de todos os dispositivos do governo estadual.

As Forças Armadas dos EUA também proibiram a aplicação nos dispositivos militares. Esta questão tem adquirido cada vez mais força nos círculos conservadores.

Um investigador da conservadora Heritage Foundation apelou no mês passado que o Governo proibisse o TikTok de operar inteiramente nos Estados Unidos.

Já na semana passada, o diretor do FBI, Chris Wray, referiu que a China pode usar a aplicação para recolher dados sobre os seus utilizadores que podem ser usados para operações de espionagem tradicionais, como parte de seus crescentes alertas sobre esta popular rede social.

O TikTok é propriedade da ByteDance, uma empresa chinesa que mudou a sua sede para Singapura em 2020. A rede social tem sido um alvo dos republicanos, que dizem que o Governo chinês pode aceder a dados dos utilizadores, como histórico de navegação e localização.

A diretora de operações da TikTok, Vanessa Pappas, com sede em Los Angeles, assegurou que a empresa protege todos os dados dos utilizadores norte-americanos e que os funcionários do Governo chinês não têm acesso a estes.

O ex-Presidente Donald Trump emitiu ordens gerais contra empresas de tecnologia chinesas, mas a Casa Branca, agora liderada por Joe Biden, substituiu-as por uma abordagem mais restrita.

As autoridades dos EUA e a empresa estão agora em negociações sobre um possível acordo que resolveria as preocupações de segurança de Washington.

Últimas Notícias