Opinião

Há um imenso mar a separar o Football Leaks dos e-mails do Benfica

A opinião de Ricardo Costa sobre a extradição de Rui Pinto para Portugal.

O caso da extradição de Rui Pinto para Portugal é de uma enorme complexidade jurídica. Não é inédito vermos um caso em que o protagonista pode ser visto por uns como criminoso e por outros como delator ou whistleblower, mas é raro podermos assistir em tempo real à discussão entre a Justiça de vários países, percebendo os vários interesses e direitos em jogo. É por isso que o pedido de extradição das autoridades portuguesas – aceite, mas ainda sujeito a recurso junto do Supremo húngaro – tem que ser visto como uma peça isolada, e relativamente pequena, num caso muito mais vasto e de primeira importância na Europa.

Em Portugal, Rui Pinto é conhecido como o hacker do Benfica ou como o John do Fottball Leaks, apesar do próprio recusar a ligação ao roubo de e-mails da Luz. Convém recordar que a fuga de informação que abalou o futebol europeu – num projeto coordenado pelo Der Spiegel, de que o Expresso fez parte – não tocou nem ao de leve o Benfica. Em Portugal, o Football Leaks só abordou interesses do Sporting, da Doyen e, por arrasto, do Porto. Terão sido roubados e-mails e documentos ao Sporting – entre os quais, o contrato de Jorge Jesus. No Porto, as revelações acertaram em cheio no peso crescente de Alexandre Pinto da Costa e no caminho de dependência dos fundos, como a Doyen, que haviam de lavar o clube a ter sérios problemas com a UEFA. Lá fora, a conversa foi outra, com efeitos muito mais pesados, sobretudo na frente fiscal, com Ronaldo à cabeça.

É por isso que o Football Leaks – bem como Rui Pinto – são considerados tão importantes por várias jurisdições europeias. O Fisco espanhol, por exemplo, pode agradecer-lhe uns larguíssimos milhões de euros, de Ronaldo, Mourinho, Xabi Alonso, etc. A UEFA pode agradecer alguma luz sobre os fundos que estavam a dominar vários clubes, com a estranhíssima Doyen à cabeça. Vários países europeus se mostraram interessados neste caso, sobretudo por questões fiscais, porque os truques eram iguais de país para país. França acabou por assumir uma aparente liderança na ideia de proteger Rui Pinto como whistleblower para poder atuar sobre vários negócios estranhos da sua liga, na frente fiscal e não só. Um liga que tem o PSG e alberga o Mónaco terá, seguramente, pano para mangas. Rui Pinto já terá entregue uma quantidade imensa de documentos à justiça francesa.

O caso do Benfica é bem diferente. Não tem comparação com o Football Leaks em quase nada – não houve coordenação com consórcios de jornais, não houve edição ou escolha de documentos, ninguém expurgou questões privadas, íntimas ou jocosas, nenhum jornal ou televisão os divulgaram em primeira mão. Parece pouco, mas não é, sobretudo para quem conhece minimamente como funcionou (e funciona) o Football Leaks. Há um livro recentemente editado em Portugal que explica bem isso.

Os e-mails do Benfica foram divulgados, em grande parte, pelo diretor de comunicação do FC Porto. Muitos outros foram colocados – ou despejados – em blogues de acesso público. Piadas como as do bruxo ou do “que passou-se” fizeram o seu caminho, a par de e-mails íntimos, vergonhosamente divulgados por quem os roubou. Há um imenso mar a separar os e-mails do Benfica de tudo o que se passou no Football Leaks, apesar de muitos advogados considerarem que um roubo de e-mails é sempre isso mesmo, um roubo de e-mails e nada mais. Têm alguma razão, mas estão longe de a ter toda. Não existe qualquer interesse – público ou privado – em saber se um clube usa um bruxo. Existe interesse em saber se um clube manipula ou condiciona provas desportivas ou instituições que as gerem. E existe um enorme interesse público em saber se há fugas massivas ao fisco, negócios que violam as leis nacionais e/ou condicionam o desporto em vários países.

Se os interesses pudessem ser colocados numa escala, a justiça portuguesa teria pouco a dizer, pelo menos nesta altura. Os e-mails do Sporting são pouco mais do que uma nota de rodapé nesta história. Os do Benfica são um caso mais pesado e não é por acaso que o clube recorreu a uma bateria de advogados de primeira linha (em várias jurisdições) para atacar este caso. Mas os avanços da justiça francesa – e de outras, provavelmente – estarão seguramente no topo da escala.

É por isto que esta caso é tão complexo. Esta terça vimos Rui Pinto á beira de ser extraditado por causa de um caso, quando em Portugal toda a gente pensa noutro e os olhos europeus (bem como do réu) estão noutro caso. Qual vai prevalecer? A resposta não é fácil e será dada em vários capítulos. Mesmo que Rui Pinto seja extraditado para Portugal, acho quase impossível que a Justiça francesa não siga em frente com os documentos que ele cedeu. E isso mostrará a distância que estão os Football Leaks das revelações do Porto e do Sporting e mesmo dos e-mails do Benfica.

  • “Vamos a Jogo” acompanhou Luís Filipe Vieira no dia da reconquista
    15:21