Opinião

O fim da imigração portuguesa para os EUA?

Se o novo plano de Donald Trump para limitar a imigração estivesse em vigor nos anos de 1960 e 1970 a comunidade portuguesa nos Estados Unidos seria irrisória.

Donald Trump quer alterar radicalmente o tipo de imigrantes que os Estados Unidos recebem. A nação que há quase dois séculos e meio acolhe os desvalidos do Mundo e com eles ergueu uma super-potência já não quer o “refugo miserável” que tornou este país, nas palavras da imigrante e Secretária de Estado, Madeleine Albright, “a nação indispensável”.

A política americana de imigração – legislada, pela última vez, há mais de 30 anos – evoluiu no sentido de um soneto lavrado na base da Estátua da Liberdade, que saúda os navios chegados ao Porto de Nova Iorque, outrora portal de imigração por excelência.

Dêem-me os vossos cansados, os vossos pobres,

As vossas gentes encurraladas ansiosas por respirar liberdade

O refugo miserável das vossas costas apinhadas.

Mandai-me os sem abrigo, os arremessados pelas tempestades,

Pois eu ergo a minha luz junto ao portal dourado.

Este excerto de “O Novo Colosso” que, imigrante, não sei ler sem me emocionar, foi escrito em 1883, por uma poetisa judia luso-descendente, Emma Lazarus. Os seus antepassados fugiram às perseguições da Inquisição em Portugal. É, pois, profundamente significativo que, em 1903, estas palavras tenham sido gravadas num monumento à liberdade e aos braços abertos dos EUA a refugiados como a família de Emma.

É esse legado, esse idealismo, que Trump quer destruir. Primeiro, com a crueldade gratuita como se refere aos imigrantes ilegais, como se o facto de terem passado a fronteira “a salto” os tornasse menos humanos.

Essa desumanização prosseguiu com a obscena política de detenção deliberada de menores, cujo sofrimento foi utilizado como arma política havendo planos para deportações em massa de milhares de famílias.

Prossegue, pendurada nas mentiras com que se pretende justificar uma crise inventada na fronteira com o México, tão necessária ao guião político da extrema-direita. Como nos EUA, aquela não pode ser mobilizada com a crise dos refugiados, inventa-se uma crise com os imigrantes ilegais.

Agora, o ataque volta-se contra a imigração legal. De acordo com a nova proposta, o tratamento preferencial é para quem tenha cursos superiores em áreas técnicas ou científicas, domine com fluência a língua inglesa e seja aprovado num teste de cultura e política americana.

Se estes critérios estivessem em vigor no passado, nenhum dos antepassados escoceses (sem formação académica ou cívica) e alemães (que não falavam inglês) de Trump teriam entrado legalmente nos Estados Unidos.

Se estes critérios estivessem em vigor nos anos de 1960 e 1970 quase todos os imigrantes portugueses teriam sido rejeitados, na medida em que se tratava, sobretudo, de pessoas modestas, sem formação académica e sem domínio da língua inglesa. A comunidade luso-americana seria uma (muito pequena) gota de água em vez das cerca de 1,5 milhões de pessoas hoje estimadas. E se estas propostas fossem aprovadas raríssimos portugueses conseguiriam imigrar para a “terra da oportunidade”. A imigração portuguesa, praticamente, acabava.

Tal como na comunidade portuguesa, a maioria dos imigrantes chegaram aos EUA fugidos da pobreza e/ou da opressão, dispostos a começar de novo, não olhando a sacrifícios para conquistarem um lugar à mesa e criarem um legado de trabalho e honra para os seus descendentes. É esta tradição e ética que Trump desconsidera.

Mas o Congresso não vai aprovar tais medidas profundamente anti-americanas e as propostas não serão lei. Trump pretende, tão pouco dar à sua base sinais de que acompanha os seus sentimentos xenófobos. Ao contrário da extrema-direita europeia (animada por sentimentos de desumanização do outro e ancorada na incompetência da UE) Trump e a sua extrema-direita não têm barcos e caravanas a trazer enxurradas de refugiados para território americano. As detenções de imigrantes ilegais na fronteira com o México, diminuíram em cerca de 80%relativamente a 2001.

Esta agitação anti-imigração, sustentada em mentiras e no apelo boçal à crueldade e ao pior em cada um, não passa de um triste embuste eleitoral a pensar nas presidenciais de 3 de Novembro de 2020.

  • Quem são os Hells Angels?
    2:52
  • O preconceito e os receios em torno das doenças mentais
    30:52
  • O caos nos registos
    18:55