País

Unidade militar espanhola reforça combate às chamas em Nisa

Uma unidade militar espanhola de emergência, com 158 operacionais, vai reforçar esta noite o combate aos incêndios no concelho de Nisa, distrito de Portalegre, disse a presidente do município, sublinhando que a situação se "mantém preocupante".

"Esta noite chega ao concelho de Nisa uma coluna militar especializada vinda de Espanha para combater os fogos. Se tudo correr bem, como está planeado, durante a noite, conseguimos debelar estes incêndios", afirmou hoje Idalina Trindade, durante um encontro com jornalistas, na vila de Nisa.

A autarca sublinhou que "o ponto da situação, nesta altura, sem alarmismos, é preocupante".

Observando que os dois incêndios que lavram no concelho se desenvolveram "em sentido negativo desde hoje de manhã", Idalina Trindade reconheceu que, apesar do "ataque direto" e dos 11 meios aéreos mobilizados para o combate, "não foi possível debelar as chamas".

A autarca adiantou que não há registo de casas ardidas, apesar de três aldeias terem sido evacuadas, nem de danos pessoais, e que ainda não foi contabilizada a área já ardida.

"Não há localidades em perigo", afirmou, apesar de terem sido evacuadas, por precaução, durante a tarde hoje, as localidades de Salavessa, Monte Claro e Falagueira.

Segundo a presidente da câmara municipal, dois bombeiros sofreram queimaduras, foram assistidos nas urgências do hospital de Portalegre e já tiveram alta.

Quanto ao Sistema Integrado das Redes de Emergência e Segurança em Portugal (SIRESP), Idalina Trindade reconheceu apenas que "tem havido algumas falhas em momentos não muito longos".

Em relação às localidades evacuadas, durante a tarde, a autarca indicou que foram transportadas cerca de 100 pessoas para o pavilhão desportivo de uma escola da vila de Nisa, sede do concelho, mas 20 delas, por terem problemas de saúde, foram encaminhadas, ao início da noite, para a Santa Casa da Misericórdia.

As populações foram retiradas das aldeias de Falagueira, Monte Claro e Salavessa, durante a tarde de hoje, e transportadas para o pavilhão desportivo da Escola Básica do 2.º e 3.º ciclos professor Mendes dos Remédios.

Já na quarta-feira à noite, tinham sido evacuadas as povoações de Falagueira, Vila Flor, Amieira do Tejo e Albarrol, devido às várias frentes de fogo, tendo as cerca de 100 pessoas regressado hoje de manhã às suas casas.

No concelho de Nisa, onde foi ativado o Plano Municipal de Emergência e Proteção Civil, continuavam hoje à noite a lavrar dois incêndios, cada um com duas frentes, que mobilizavam, cerca das 23:00, 464 operacionais, com o apoio de 142 viaturas, segundo a página na internet da Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC).

Os incêndios obrigaram ao corte do Itinerário Principal (IP) 2, no nó Gardete, entre a A23 e Nisa, troço que faz ligação à Barragem de Fratel, no limite com o distrito de Castelo Branco.

Um dos fogos teve origem no de Vila Velha de Ródão, distrito de Castelo Branco, que passou na terça-feira à noite o rio Tejo e chegou ao concelho vizinho de Nisa, através do monumento natural das Portas de Ródão.

O alerta deste incêndio no concelho de Nisa foi dado às 21:34 de terça-feira, nas Portas do Ródão, freguesia de Santana.
Na quarta-feira à tarde, também o fogo de Mação, no distrito de Santarém, se propagou ao concelho de Nisa, começando por Albarrol, na zona de Arez e Amieira do Tejo, tendo o alerta sido dado às 20:49.

Lusa