País

Porto Editora suspende venda de blocos de atividades discriminatórios

A Porto Editora anunciou esta quarta-feira que vai suspender a venda dos livros polémicos e que acolhe a proposta da Comissão para a Cidadania e Igualdade de Género para rever os exercícios "que possam ser considerados discriminatórios ou desadequados".

"A Porto Editora já suspendeu a venda destes livros e vai transmitir às livrarias e demais pontos de venda essa indicação", refere um comunicado divulgado hoje na página oficial do Facebook.

A editora diz ainda estar disponível para trabalhar com CIG no sentido de rever os exercícios que possam ser considerados discriminatórios ou desadequados nos blocos de exercícios diferentes para meninos e meninas.

Porém, a editora "reafirma que as edições em causa não foram trabalhadas sob qualquer perspetiva discriminatória ou preconceituosa, a qual é absolutamente contrária aos valores que norteiam a sua atividade editorial desde sempre".

A orientação para retirar do mercado o livro de atividades para crianças dos quatro aos seis anos foi dada pelo ministro-adjunto Eduardo Cabrita, para que fossem eliminadas "as mensagens que possam ser promotoras de uma diferenciação e desvalorização do papel das raparigas no espaço público e dos rapazes no espaço privado".

A Porto Editora vai sugerir o agendamento de uma reunião de trabalho com a CIG com a brevidade possível.

Com Lusa

  • Governo recomenda retirada de livros polémicos da Porto Editora

    País

    A Comissão para a Cidadania e Igualdade de Género, "por orientação do ministro adjunto", recomendou hoje à Porto Editora a retirada do mercado dos blocos de atividades que fazem distinção entre rapazes e raparigas. O organismo considera que podem estar em causa a "diferenciação e desvalorização do papel das raparigas no espaço público e dos rapazes no espaço privado".

  • Porto Editora acusada de discriminação
    2:55

    País

    Há uma polémica com os livros da Porto Editora, que fazem distinção entre rapazes e raparigas. O caso foi denunciado nas redes sociais por encarregados de educação, chocados com a discriminação. A editora lançou dois blocos de atividades para rapazes e raparigas, dos 4 aos 6 anos, com exercícios e motivos diferentes em função do género.

  • Esqueçam o atrás...

    Tenham noção

    O recado de Rodrigo Guedes de Carvalho sobre redundâncias. Tenham noção que dizer ou escrever "há cinco anos atrás", "subir para cima" ou "descer para baixo" é desnecessário.

    SIC Notícias