País

Último urso pardo em Portugal foi morto mais tarde do que se pensava

Mario Anzuoni

O último urso pardo que viveu em Portugal foi morto em 1843 no Gerês, depois de ter existido em todo o país, revela um livro que vai ser apresentado na quarta-feira.

Grande predador das florestas, o urso pardo distribuía-se de norte a sul do país, mas foi perdendo habitat e "subindo" no território até chegar ao último reduto na serra do Gerês.

Atualmente ainda subsiste na região espanhola das Astúrias e nos Pirinéus.

A história é contada em "Urso Pardo em Portugal - Crónica de uma extinção", de Paulo Caetano e Miguel Brandão Pimenta, e estabelece a nova data do desaparecimento dos ursos em Portugal, quando os dados conhecidos até agora colocavam o desaparecimento em 1650.

"Quisemos contar, por um lado, os elementos que comprovam essa presença, desde a pré-história", com a referência a ossos, dentes, por outro lado, referir que a alta idade média marca o início do retrocesso da população de ursos, quando começam a rarear e a extinguir-se de certas zonas do país, disse à agência Lusa Paulo Caetano.

Na investigação que deu origem ao livro os autores chegaram a uma notícia da morte do último urso em Portugal em 1843, abatido pela população no Gerês, o que foi uma surpresa.

"Os últimos dados que comprovavam o desaparecimento do urso referiam-se a 1650, também no Gerês".

"Este é um dado novo que este livro traz para a ciência sobre a história do urso pardo em Portugal, que era completamente desconhecido", realça o autor.

"O que comprovamos é que, possivelmente em meados do século XVII, o urso pardo extinguiu-se enquanto população reprodutora e nos dois séculos seguintes o território português era, por vezes, visitado por animais errantes", vindos do sul da Galiza, explica Paulo Caetano.

Os autores contam ter descoberto crónicas antigas sobre feras que aterrorizavam as populações do Gerês ou de Chaves e que pensam tratar-se de ursos.

Tentaram perceber como era a relação entre o animal e as pessoas, como acabou por desaparecer e foram olhar para as modificações do território, desde a pré-história, que fizeram com que a natureza deixasse de ter condições para suportar uma população viável de ursos.

Segundo a descrição de Paulo Caetano, a relação dos portugueses com os predadores "nunca foi pacífica", já que são vistos como "animais daninhos que têm de ser destruídos porque causam prejuízos, quer sejam lobos, linces ou ursos".

Para Paulo Caetano, "o urso desapareceu não por causa da caça, que foi acessória, matando os poucos animais que sobreviviam, mas porque o território foi completamente modificado ao longo dos séculos, acima de tudo pela ação do fogo".

O antigo jornalista e responsável por vários trabalhos sobre natureza e mundo rural cita autores dos séculos XVII e XVIII a referirem que todo o Gerês estava destruído pelo fogo.

"O nosso problema com o fogo, este ano tão atual, não é uma novidade, tem mais de três séculos", acrescenta.

A floresta autóctone destruída foi substituída pela monocultura de pinhal, enquanto os ursos necessitam de bosques ricos em frutos silvestres e em mel e que proporcione abrigo, o que não existe no pinhal, e "a tudo isso junta-se a caça", aponta.

Apesar de ter desaparecido de Portugal há tanto tempo, o urso deixou um legado - toponímia, lendas e folclore.

Em Espanha, o urso também foi regredindo no território e refugiou-se nas altas montanhas, nas Astúrias, onde também esteve ameaçado, mas as autoridades espanholas adotaram medidas de conservação e os dois grupos populacionais da espécie estabilizaram.

Nas Astúrias, "as populações acarinham muito o tema do urso, quer seja na cidade como nas aldeias, e não têm medo, não existindo registos de ataques", descreve o coautor do livro.

Ao contrário, nas zonas dos Pirinéus onde ainda sobrevive uma população muito residual de ursos, que foi reintroduzida, estes são "constantemente perseguidos e abatidos".

Questionado sobre a possibilidade de os ursos regressarem a Portugal, Paulo Caetano começa por dizer que iriam morrer de fome já que não existe habitat apropriado.

Mesmo que essa limitação fosse ultrapassada, defendeu, "as autoridades não saberiam como lidar com esta situação, como não souberam lidar com a regressão do lince, a não ser criando-o em cativeiro e, mesmo assim, seguindo Espanha".

E a reação das populações "é uma incógnita".Para justificar a incerteza deu o exemplo da relação das pessoas com os lobos que, "no Gerês é complicada, com grandes conflitos e na zona de Montesinho é completamente diferente e existe tolerância".

"Se conseguíssemos fazer um bom trabalho de sensibilização, as pessoas perceberiam que, não só não as ameaça, como poderia ser uma mais valia económica, como nas Astúrias", onde é um chamariz turístico, acrescentou.

Lusa