País

Jihadista de Aveiro acusado de pertencer ao Daesh

O Ministério Público deduziu a acusação contra um marroquino detido na prisão de Monsanto, em Lisboa, suspeito de pertencer a uma organização terrorista internacional, anunciou esta sexta-feira a Procuradoria-Geral da República.

Em comunicado, a PGR adianta que o marroquino é acusado de um crime de adesão a organização terrorista internacional, outro de falsificação com vista ao terrorismo e quatro crimes de uso de documento falso com vista ao financiamento do terrorismo.

A PGR adianta que o marroquino, que em Portugal radicalizava e recrutava jovens marroquinos para a organização terrorista Daesh, está ainda acusado de um crime de recrutamento para terrorismo e outro de financiamento do terrorismo.

O marroquino, que residiu na zona de Aveiro e foi detido há cerca de um ano na Alemanha, no âmbito de um mandado de detenção europeu, emitido pelo Departamento Central de Investigação e Ação Penal (DCIAP) terá recrutado em Portugal um cidadão que foi, depois, detido em França pela tentativa de realização de ataque terrorista naquele país.

De acordo com a acusação, o arguido terá ainda, através da utilização de cartões de crédito falsos, obtido fundos com o objetivo de financiar atividades relacionadas com o terrorismo e que seriam levadas a cabo por jovens por si radicalizados.

A PGR refere também que, durante a investigação, constatou-se que estão a decorrer processos idênticos contra o arguido na Alemanha e em França, tendo as autoridades francesas emitido um mandado com vista à sua entrega.

No âmbito da investigação, foram realizadas diligências de cooperação judiciária internacional, nomeadamente troca de informações com os países da União Europeia e reuniões de coordenação ao nível da Eurojust.

O Ministério Público foi coadjuvado pela Unidade Nacional Contra Terrorismo da Polícia Judiciária em todas estas diligências.

Na altura da detenção do marroquino na Alemanha, a PJ indicava que estavam a decorrer investigações desde 2015.

Lusa

  • Suspeito de terrorismo recebeu subsídio
    1:37

    País

    O alegado terrorista que viveu em Aveiro foi colocado pela Segurança Social numa casa de acolhimento temporário, onde residiu durante mais de seis meses com um subsídio pago pelo Estado Português. Depois de abandonar a instituição, o cidadão marroquino detido em França, continuou a viver na região, num quarto alugado.

  • Marroquino detido em França foi vigiado pela PJ
    1:13

    País

    Um dos detidos em França, suspeitos de preparar um novo atentado terrorista, vivia em Aveiro há dois anos. É um marroquino que já estava a ser investigado pela Polícia Judiciária. O homem, de 26 anos, tem uma autorização de residência em Portugal emitida em 2014.