País

Costa quer "caso Sócrates" fora do Congresso do PS

José Sócrates à chegada para o almoço de apoio ao antigo primeiro-ministro e ex-militante do PS, num restaurante do Parque das Nações em Lisboa, no passado dia 20 de maio de 2018.

NUNO FOX, LUSA

O secretário-geral do PS tem pedido aos seus militantes que façam no Congresso, que começa na sexta-feira, um debate sobre o futuro, procurando afastar casos do presente, como o que envolve o antigo primeiro-ministro José Sócrates.

"Não faz sentido que o nosso Congresso do PS seja sobre o presente, mas sobre o futuro do nosso país", sustentou António Costa no passado dia 08, numa sessão de esclarecimento com militantes socialistas da Federação da Área Urbana de Lisboa, poucos dias depois de José Sócrates ter anunciado a sua desfiliação deste partido.

Na mesma sessão, o secretário-geral do PS fez questão de acrescentar que o seu partido não deve "olhar para o drama de hoje, nem para a questão que se vai colocar amanhã, podendo antes concentrar-se no horizonte de médio e longo prazo".

Desde que António Costa assumiu a liderança do PS, em novembro de 2014, esta é a segunda vez em que episódios que decorrem do processo judicial de José Sócrates rodeiam um congresso dos socialistas.

Em novembro de 2014, duas semanas após José Sócrates ser sujeito a prisão preventiva por suspeitas de corrupção, branqueamento de capitais e fraude fiscal, o atual secretário-geral do PS, logo à entrada para o congresso, deixou um apelo no sentido de que os delegados socialistas separassem ao longo dos trabalhos as questões de justiça e de política - um pedido que foi cumprido.

O "caso Sócrates" regressou em força ao PS no mês passado, depois da divulgação pela SIC de parte dos interrogatórios judiciais a que foi submetido o antigo primeiro-ministro.

A eurodeputada socialista Ana Gomes defendeu então que o seu partido não podia "continuar a esconder a cabeça na carapaça da tartaruga" e que este Congresso, na Batalha, no distrito de Leiria, era a "oportunidade para escalpelizar como [Notes:o PS] se prestou a ser instrumento de corruptos e criminosos".

Dias depois, foi o próprio presidente do PS, Carlos César, a afirmar que, a confirmarem-se, as suspeitas em torno de José Sócrates e do antigo ministro Manuel Pinho, gerar-se-á "uma situação incompreensível e lamentável".

Relativamente ao caso específico de José Sócrates completou: "A vergonha até é maior porque era primeiro-ministro".

Na mesma linha, o porta-voz dos socialistas, João Galamba, que entrou para a bancada do PS em 2009 por indicação de José

Sócrates, considerou que "envergonha qualquer socialista" quando se vê um ex-primeiro-ministro e secretário-geral do PS acusado de corrupção e branqueamento de capitais".

"Obviamente, envergonha qualquer socialista, sobretudo se as matérias de que é acusado vierem a confirmar-se", acrescentou.
Durante uma visita oficial ao Canadá, António Costa foi questionado pelos jornalistas se concordava com estas posições de Carlos César.

"Se essas ilegalidades se vierem a confirmar, serão certamente uma desonra para a nossa democracia. Mas se não se vierem a confirmar é a demonstração que o nosso sistema de justiça funciona", respondeu, horas antes de José Sócrates anunciar a sua desfiliação do partido, alegando não aceitar "julgamentos antecipados por parte de camaradas" seus.

António Costa afirmou depois respeitar a "decisão pessoal de José Sócrates", mas manifestou-se "surpreendido, porque não há qualquer tipo de mudança da posição da direção do PS sobre aquilo que escrupulosamente tem dito desde o início: Separação entre aquilo que é da justiça e aquilo que é da política".

Dentro do PS, o "histórico" António Campos e o dirigente Daniel Adrião estiveram entre os poucos que condenaram publicamente a atuação de membros da direção como João Galamba e Carlos César, alegando, também, tal como José Sócrates, que os dois fizeram um julgamento antecipado sem respeitar a norma da presunção de inocência própria de um Estado de Direito.

O eurodeputado socialista Francisco Assis, em entrevista esta terça-feira ao jornal "Público", assumiu uma posição original: Recusou a criminalização das políticas dos governos de Sócrates, elogiou "a coerência" de António Costa perante este caso, mas deixou uma farpa dirigida a João Galamba.

"Houve outras pessoas do PS que realmente mudaram de posição. Não tenho nenhuma teoria explicativa para essa mudança", disse.


Lusa

  • "Como é que Sócrates pode continuar a ser militante do PS? Essa é uma discussão que os socialistas não quereriam ter no Congresso"
    0:40

    País

    Para o jornalista e subdiretor de informação da SIC Bernardo Ferrão, a saída de José Sócrates do PS está relacionada com os comentários que António Costa e outras figuras do partido fizeram nos últimos dias sobre as suspeitas em torno do antigo primeiro-ministro e de Pinho. Bernardo Ferrão sublinha também que dada a aproximação de eleições e do Congresso do PS em maio, a saída de Sócrates do partido é a situação desejada pelos dirigentes socialistas.

  • Bancadas parlamentares confrontaram Costa com saída de Sócrates do PS
    3:02

    País

    As notícias sobre o alegado caso de corrupção que envolve Manuel Pinho e o afastamento de José Sócrates do partido socialista fizeram subir de tom o debate quinzenal desta quarta-feira à tarde, com todas as bancadas a trazerem o assunto para plenário. O PSD questionou António Costa acerca da mudança de estratégia do partido, e o CDS sugeriu uma auditoria ao ministério da Economia. António Costa indignou-se por o assunto ser levado ao Parlamento, mas reafirmou que se as acusações contra Sócrates forem provadas, será uma "desonra".

  • Costa surpreendido mas respeita decisão de Sócrates
    0:43

    País

    António Costa diz que está surpreendido mas que respeita a decisão de José Sócrates de sair do PS. O primeiro-ministro sublinha que a direção do PS não mudou de posição em relação ao acompanhamento de processos na justiça, como o da Operação Marquês.

  • Saída do PS de Sócrates (zangado) surpreende Costa
    2:29

    País

    José Sócrates pediu a desfiliação do PS. Numa carta enviada ao partido, o ex-primeiro-ministro diz ter sido alvo de uma "condenação sem julgamento" e sente-se injustiçado pela direção do PS. António Costa diz que ficou surpreendido com os motivos invocados mas respeita a decisão do ex-governante.

  • Socialistas incomodados com Sócrates falam em "vergonha" para o partido
    3:01

    País

    O presidente do PS, Carlos César, falou em vergonha e revolta. O secretário-geral, António Costa, chegou mesmo a utilizar a expressão "desonra para a democracia". Ana Catarina Mendes, secretária-geral adjunta do PS, afirmou que se se verificar, é "algo lamentável que envergonha os socialistas". A demissão de Sócrates do Partido Socialista surge depois de uma vaga de críticas das principais figuras do partido.

  • Costa diz que "ninguém está acima da lei" nos casos de Pinho e Sócrates
    1:10

    Operação Marquês

    O primeiro-ministro diz que é uma desonra para a democracia se se confirmarem os casos de corrupção nos membros do Governo de José Sócrates. É a primeira vez em quatro anos que António Costa fala sobre a investigação ao ex-primeiro ministro e principal figura da Operação Marquês. No entanto, a reação do chefe do Executivo só surge depois de serem conhecidas as suspeitas que recaem sobre o ex-ministro da Economia, Manuel Pinho, no caso EDP.

  • Sócrates anuncia saída do PS para acabar com "embaraço mútuo"

    País

    O antigo primeiro-ministro José Sócrates pediu a desfiliação do PS na quinta-feira, de acordo com uma carta enviada ao partido em que diz ter sido alvo de uma "condenação sem julgamento". Sócrates esclareceu hoje que pediu a desfiliação do partido para acabar com um "embaraço mútuo", após críticas da direção que, na sua opinião, ultrapassam os limites do aceitável.

  • "É absolutamente indiscutível o interesse público que existe na Operação Marquês" 
    6:56

    Operação Marquês

    Para o diretor de Informação da SIC, Ricardo Costa, é indiscutível o interesse público que existe na Operação Marquês uma vez que se trata do processo "mais grave da democracia portuguesa, que envolve a maior falência bancária do pós-25 de Abril e o colapso daquela que era a empresa mais importante da bolsa de Lisboa". Na semana passada a SIC emitiu um conjunto de reportagens sobre a Operação Marquês, em que divulgou algumas imagens de interrogatórios ao antigo primeiro-ministro e acusado José Sócrates. O caso tem despertado um intenso debate público sobre o conflito entre os direitos dos arguidos e o direito à informação.