País

Diretores de escola consideram regresso positivo apesar de falta de pessoal

FILIPE FARINHA

Os diretores de escolas consideram positivo o arranque do novo ano escolar, apesar da falta crónica de funcionários, que os leva a apelar ao ministro das Finanças para libertar dinheiro para os contratar.

O presidente da Associação de Diretores de Agrupamentos e Escolas Públicas, Filinto Lima, afirmou que ainda há "escolas pelo país que não abriram portas por causa da "escassez de funcionários".

O problema é de dinheiro, reconhece, defendendo que "Mário Centeno, que gere o dinheiro público, deveria perceber que educação sem funcionários não funciona".

"Dote as escolas de mais assistentes operacionais", pediu Filinto Lima, salientando ainda que é preciso substituir "funcionários que estão em casa doentes há meses e anos".

"As pessoas adoecem, envelhecem e a escola é um trabalho de grande desgaste, porque os que lá estão fazem o trabalho deles e dos que não estão lá", indicou.

Filinto Lima reconheceu que desde 2015, o Governo "já contratou 2.550 funcionários, o que foi um passo importante, mas precisa-se de um passo decisivo, final".

Quanto aos atrasos na plataforma para os manuais escolares gratuitos registados antes do início do ano escolar, Filinto Lima desvalorizou o impacto que poderá ter a falta de livros nos primeiros dias letivos.

"Nos primeiros dias há revisões, testes de diagnóstico, são cerca de duas semanas em que os manuais usados são os do ano anterior, há matéria que não foi ainda dada e os professores podem muito bem não ir ao livro novo", afirmou.

O representante dos diretores garantiu que os alunos "não vão ter falta de material".

Quanto à colocação dos professores, afirmou que todos se apresentaram até 3 de setembro e que foi pedida a substituição de todos os doentes.

Lusa

  • Falta de funcionários e atrasos na entrega de manuais marcam início do ano letivo
    3:08

    País

    Hoje é dia de regresso às aulas para a maioria dos alunos portugueses. Do pré-escolar ao secundário, 1,5 milhões de estudantes iniciam o ano lectivo. A semana será marcada pelos protestos dos sindicatos, com plenários por todo o país, por causa da contagem integral do tempo de serviço. Nas escolas, críticas à recorrente falta de funcionários e aos atrasos na entrega de manuais escolares.

  • "Vou ver junto da Provedora", Marcelo confrontado com protesto dos professores em Celorico de Basto
    0:42

    País

    O Presidente da República Marcelo Rebelo de Sousa foi esta manhã confrontado com um protesto de professores. Depois da troca de palavras entre o primeiro-ministro António Costa e o líder da Fenprof Mário Nogueira, foi agora a vez de Marcelo Rebelo de Sousa ser confrontado com as reivindicações dos professores que se sentem lesados nos descontos para a segurança social. À chegada para uma visita à escola básica e secundária de Celorico de Basto, Marcelo Rebelo de Sousa prometeu apurar o que se passa junto da Provedoria de Justiça e da Segurança Social.

  • "Não é possível assegurar o mínimo de condições de segurança aos alunos"
    0:57

    País

    Na Escola Secundária Rocha Peixoto, na Póvoa de Varzim, as aulas ainda não começaram devido à falta de funcionários. A direção diz que faltam mais de metade dos assistentes operacionais que, segundo o rácio do próprio ministério da Educação devia contar com 49 assistentes operacionais contra 22 que a escola tem hoje ao serviço. À SIC o subdiretor da escola, Noel de Miranda, reconheceu que não estão garantidas as condições de segurança pelo que este arranque do ano letivo teve de ser adiado.

  • Aldeia de Roberto Leal recebe notícia da morte com consternação
    2:02