País

Portugal é o país europeu onde mais desceu a oposição à imigração

Portugal é o país europeu onde a oposição à imigração mais desceu nos últimos três anos, dentro de uma Europa dividida, mas com a maioria dos países em defesa da entrada de imigrantes, revela o Inquérito Social Europeu.

De acordo com os dados mais recentes do Inquérito Social Europeu, foi em Portugal que mais diminuiu a oposição à imigração no período entre 2014 e 2017, logo seguido do Reino Unido.No inquérito de 2014/2015 foram ouvidos 1.174 portugueses, número que aumentou para 1.184 no inquérito de 2016/2017, e se a média europeia se fixa nos 2,52 (entre 1 para muita oposição e 4 para nenhuma oposição), Portugal consegue ficar nos 2,27 no inquérito mais recente, depois de ter estado nos 2,64.

"O que é muito interessante relativamente a Portugal é ver que, apesar de, antes, Portugal ser um dos países que até estava acima do ponto médio e que era também a média europeia, era apresentado como um país em que havia uma tendência para a oposição à imigração, baixa significativamente o ponto médio da escala", defende a professora e investigadora responsável.

De acordo com Alice Ramos, Portugal passou a ser "um país que se revela francamente mais aberto à imigração do que era há dois anos", além de [a oposição] estar a descer também relativamente à média europeia.

Uma tendência que o Reino Unido também acompanha, com destaque para o facto de os dados em causa, relativos a 2016/2017, coincidirem com o Brexit, um fenómeno "interessante" que a investigadora defende que seja posteriormente estudado.

"O Reino Unido tem uma queda enorme não só da oposição à imigração, mas também da perceção da ameaça por parte dos imigrantes. E isso também acontece na Irlanda", apontou.

No que diz respeito a Portugal, Alice Ramos frisou que "as pessoas estão mais favoráveis à entrada de imigrantes", ao mesmo tempo que defendem que o Governo deve ser generoso e sensível aos problemas dos refugiados e ao seu acolhimento".

No entanto, dividindo o grupo "imigração", é possível constatar que os portugueses são mais favoráveis à entrada de imigrantes quando eles pertencem à mesma raça ou grupo étnico, com 70% a defender que se deve "deixar vir alguns ou muitos".

Número que muda para pouco mais de 50% quando estão em causa pessoas de raça ou grupo étnico diferente e para os 50% quando são pessoas vindas de países não europeus pobres.

No que diz respeito à perceção dos imigrantes como uma ameaça, "os portugueses, tendencialmente, estão mais inclinados a ver os benefícios da diversidade cultural que os imigrantes trazem do que a ver como aspeto negativo".

Algo que se repete para o indicador económico, com os portugueses a entenderem que a vinda destas pessoas é boa para a economia portuguesa.

Relativamente à Europa, é possível constatar que se divide em três grupos, entre os que mantém a posição (caso da Alemanha, Estónia e Eslovénia), os que aumentam a sua oposição à imigração e os que descem.

Alice Ramos admitiu ter ficado surpreendida, já que os dados mostraram uma "generalização da abertura à imigração", com o bloco mais a favor da imigração a incluir Bélgica, Suíça, Espanha, Portugal, Finlândia, França, Reino Unido, Irlanda, Holanda e Noruega.

"Não estava à espera que houvesse tantos países a manifestar uma maior abertura porque quando comparamos 2002 com 2014 a tendência era para a estabilidade e agora vemos que há cada vez mais opiniões favoráveis aos imigrantes, mesmo nos países que já eram favoráveis", disse.

Já no outro lado da barricada estão a Áustria, República Checa, Polónia, Itália, Lituânia, Suécia e Hungria, com este último a ser aquele onde mais aumentou a oposição aos imigrantes.

No global, foram ouvidos 34.456 cidadãos europeus, e os resultados vão ser hoje apresentados, em Lisboa, por altura da apresentação do consórcio PASSDA, que junta o Arquivo Português de Informação Social, Atitudes Sociais dos Portugueses, Comportamento Eleitoral dos Portugueses.

Lusa