País

Processo que envolve marroquino regressa ao TCIC para ser julgado por terrorismo

Ali Hashisho

Isto acontece depois do Tribunal da Relação de Lisboa reverter uma decisão do juiz Ivo Rosa e decidir levar a julgamento o cidadão marroquino acusado de pertencer ao Daesh e de recrutar operacionais em Portugal.

O juiz Ivo Rosa não o pronunciou por terrorismo, querendo julgá-lo por falsificação de documentos e contrafacção de moeda. Contudo, o Tribunal da Relação reverteu a decisão do juiz e o processo tem que regressar à fase de instrução.

O processo que envolve o marroquino Abdesselam Tazi regressa então ao Tribunal Central de Instrução Criminal.

Agora, persiste a dúvida se será Ivo Rosa a refazer o despacho de pronúncia uma vez que está a tempo inteiro com a instrução do processo Marquês.

No início de dezembro, Abdesselam Tazi esteve quase para a ouvir a sua sentença no Tribunal de Aveiro, por crimes de falsificação de documentos e contrafacção de moeda, mas a leitura do acórdão acabou por ser anulada.

O cidadão marroquino quer agora ser libertado porque diz ter sido ultrapassado o prazo de prisão preventiva.

O Ministério Publico alega que Tazi está ligado a uma célula do Daesh que radicalizou e recrutou jihadistas em Portugal.