País

Trabalhadores da Saúde em greve nacional a partir da meia-noite

Paralisação deverá ser cumprida sobretudo por auxiliares de ação médica e assistentes operacionais.

Os trabalhadores da saúde vão iniciar às 00:00 de sexta-feira uma greve de 24 horas para exigir aumentos salariais, carreiras dignas e a contratação de mais profissionais.

A Federação Nacional dos Sindicatos dos Trabalhadores em Funções Públicas e Sociais convocou a greve nacional que na sexta-feira pode afetar várias unidades hospitalares do Serviço Nacional de Saúde.

O pré-aviso de greve pode abranger todos os trabalhadores da saúde, mas a paralisação deverá ser cumprida sobretudo por auxiliares de ação médica e assistentes operacionais.

Melhores condições

Numa nota à comunicação social, a federação sindical indica que a paralisação pretende exigir "aumentos de salários, carreiras dignas, respeito pela contratação coletiva e admissão de novos efetivos".

Segundo o pré-aviso emitido, os trabalhadores pretendem ainda a criação da carreira de técnico auxiliar da saúde.

Uma primeira avaliação da greve será feita logo depois da meia-noite de sexta-feira no Hospital de S. José, em Lisboa, onde estarão presentes o secretário-geral da central sindical CGTP, Arménio Carlos e a coordenadora Ana Avoila.

Também no Norte e Centro do país, a Federação dos Sindicatos fará uma primeira avaliação da adesão e do impacto da greve.

Mais greves

Na próxima semana, a saúde contará com mais duas greves, uma de médicos e outra de enfermeiros.

Os enfermeiros, através do Sindicato Democrático dos Enfermeiros Portugueses, convocaram uma paralisação nacional entre os dias 02 e 05 de julho, que em parte coincide com a greve de médicos, nos dias 02 e 03, terça e quarta-feira.

Lusa