País

Caso do bebé sem rosto: irregularidades nas requisições das ecografias

As conclusões da ARSLVT foram enviadas para o Ministério Público.

A Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo informou esta sexta-feira em comunicado que o processo de inquérito ao caso do bebé Rodrigo revelou fortes indícios de utilização irregular das requisições de exames ecográficos na clínica Ecosado.

Trata-se da clínica onde foi examinada a mãe do bebé que nasceu com malformações graves.

O relatório concluiu que a Ecosado não tem convenção com a ARSLVT, mas utilizou requisições do SNS faturadas por outra clínica para efetuar estes exames.

A Administração Regional informou ainda que vai terminar com a convenção com a segunda clínica que faturou o serviço sem o ter prestado.

Obstetra tem oito queixas na Ordem dos Médicos

O Ministério Público abriu um inquérito crime para investigar o caso. Soube-se entretanto que cerca de duas dezenas de pais acompanhados na clínica Ecosado estão preocupados com as ecografias realizadas neste estabelecimento de saúde, tendo pedido ajuda e aconselhamento à Ordem dos Médicos.

Artur Carvalho, o obstetra que acompanhou a mãe de Rodrigo nunca a informou, durante a gravidez, de qualquer malformação no bebé que acabou por nascer sem parte do rosto.

  • “Entregues à Sorte” – Quarto episódio
    27:01