País

Depressão Elsa continua a provocar estragos de norte a sul

Doze distritos em alerta laranja. Mais de 70 desalojados. Estradas inundadas e linhas ferroviárias cortadas. Acompanhe aqui em direto a emissão da SIC Notícias.

A passagem da depressão Elsa, em deslocação de norte para sul, provocou em Portugal dois mortos, um desaparecido e deixou perto de 80 pessoas desalojadas, registando-se entre quarta-feira e as 12:00 desta sexta-feira cerca de 7.000 ocorrências, na sua maioria inundações e quedas de árvore.

Num balanço feito ao início da tarde, a Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil (ANEPC) referiu que os distritos mais afetados são Porto, Viseu, Aveiro, Coimbra, Braga e Lisboa. Segundo a Proteção Civil, até às 20:00 deverá verificar-se um agravamento do estado do tempo, sendo depois expectável que a situação comece a estabilizar.

Linhas da EDP continuam inoperacionais

O mau tempo provocou também danos na rede elétrica, afetando a distribuição de energia a milhares de pessoas, em especial na região Centro.

Segundo um comunicado da empresa, pelas 13:00, a EDP tem mobilizados no terreno "mais de 1.500 operacionais" e já instalou cerca de 60 geradores nas zonas mais afetadas para fazer face aos problemas de iluminação.

Os distritos mais afetados, ainda com cerca de uma centena de linhas de alta e média tensão dadas como inoperacionais, são os de Viseu, Coimbra e Guarda, com postes danificados.

Aviso laranja para 12 distritos

O Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA) tem hoje sob aviso laranja (o segundo mais grave) 12 distritos de Portugal continental e a costa norte da Madeira devido sobretudo à agitação marítima. Leiria, Santarém e Portalegre estão sob aviso laranja também devido às previsões de precipitação forte durante a tarde.

O IPMA alertou para os efeitos de uma nova depressão, denominada Fabien, que atingirá Portugal no sábado, em especial o Norte e o Centro, estando previstos intensos períodos de chuva e vento forte de sudoeste, com rajadas que podem atingir 90 km/hora no litoral norte e centro e 120 km/hora nas terras altas.

Segundo o IPMA, os efeitos da depressão Fabien não deverão ter em Portugal continental a mesma intensidade do que os da tempestade Elsa, prevendo-se uma melhoria gradual do estado do tempo a partir de domingo.

O mau tempo só vai dar tréguas a partir de domingo.

Subida dos caudais dos rios deixa cidades em alerta

Rio Ave

O rio Ave galgou as margens na freguesia de Touguinha, em Vila do Conde, distrito do Porto, forçando o corte de uma estrada que dá acesso à zona industrial local, confirmou o comandante dos bombeiros vilacondenses. Nessa zona não se verificaram inundações nos edifícios, e a tendência é que o nível das águas baixe até às 16:00 e a estrada possa ser, entretanto, reaberta.

Rio Douro

O caudal do rio Douro galgou a avenida do Douro, no Peso da Régua, e os comerciantes da principal artéria da cidade, a João Franco, foram avisados para retirar os seus bens, disse o presidente da câmara. A autarquia cortou ao trânsito as avenidas do Douro, onde o caudal do rio já entrou na parte mais baixa, a da Galiza e ainda a João Franco, que é a principal zona comercial da cidade. O autarca disse que se está em "alerta vermelho" que as previsões para as próximas horas são de um agravamento das condições meteorológicas, que a comissão de proteção civil vai reunir e pode ativar o plano de emergência.

Rio Tejo

A Comissão Distrital de Proteção Civil de Santarém acionou o Plano Especial de Emergência para Cheias na Bacia do Tejo no seu nível Amarelo, devido ao "aumento considerável dos níveis hidrométricos e caudais do rio Tejo". Em comunicado, o Comando Distrital de Operações de Socorro (CDOS) de Santarém afirma que a subida dos caudais do Tejo, "especialmente nos provenientes de Espanha e rio Ocresa", causada pela precipitação que se tem sentido em Portugal e em Espanha, torna "elevada a probabilidade de cheia" na região.

Para as próximas horas, o CDOS admite que se possa verificar, no concelho de Santarém, a submersão da Estrada Nacional (EN) 365, em Ponte do Alviela e em Palhais/Ribeira de Santarém, da Estrada Municipal (EM) que liga a Ribeira de Santarém a Vale de Figueira e do parque de estacionamento da Ribeira de Santarém.

Rio Tâmega

O rio Tâmega já subiu em Chaves 3,13 metros acima do caudal normal, inundando uma área "bastante significativa" e condicionando o trânsito automóvel em vários pontos da cidade.

Além da inundação de alguns estabelecimentos comerciais no centro histórico, junto à zona ribeirinha, a preocupação prende-se com o condicionamento do trânsito na Avenida Dom João I e numa rua paralela, Dom Afonso III, zona que concentra várias superfícies comerciais e restaurantes. Também o trânsito está condicionado desde quinta-feira à tarde na envolvente do rio por motivos de segurança.

Suspensa ligação fluvial entre Trafaria e Belém

A ligação fluvial entre a Trafaria, em Almada, e Belém, em Lisboa, encontra-se suspensa desde as 13:00 de hoje devido às condições atmosféricas que se fazem sentir, anunciou a Transtejo. Até ao momento, as restantes ligações da Transtejo e Soflusa estão operacionais.

Marcelo acompanha situação

O Presidente da República afirmou hoje que está a acompanhar "em ligação permanente" com o ministro da Administração Interna as situações provocadas pelo mau tempo, e apontou que a Proteção Civil "tem tentado acorrer" às ocorrências.

"Já não é uma [depressão], são duas, segue-se a uma outra que hoje se vai agravar à tarde, pelo que parece. Tenho acompanhado isso em ligação permanente com o senhor ministro da Administração Interna, e através dele com a Proteção Civil", disse Marcelo Rebelo de Sousa.