País

Sousa Cintra assume que não houve reforço da segurança após ataque na Academia de Alcochete

Sousa Cintra assume que não houve reforço da segurança após ataque na Academia de Alcochete

À entrada para o tribunal, Sousa Cintra assumiu "não conhecer" o arguido Guilherme Gata de Sousa, que o arrolou como testemunha de defesa.

O antigo presidente do Sporting Sousa Cintra disse esta sexta-feira em tribunal que a segurança na academia não foi reforçada depois da invasão desta por um grupo de adeptos, em 15 de maio de 2018.

"Não houve nada do outro mundo [em termos de segurança]. Tivemos apenas mais atenção", disse Sousa Cintra, durante a 30.ª sessão do julgamento da invasão à academia.

Sousa Cintra, que presidiu ao clube entre 1989 e 1995 e ocupou a presidência da SAD durante dois meses, por nomeação, após a saída de Bruno de Carvalho, explicou que, depois da invasão, reuniu com as claques e disse nunca ter tido qualquer problema com os grupos organizados de adeptos.

"Quando assumi a presidência da SAD falei com as claques, tivemos uma reunião com eles e dissemos: 'Precisamos da vossa ajuda para que tudo corra bem'. Nunca tive nenhum problema com as claques, nem eu, nem o Torres Pereira [presidente da comissão de gestão] ", disse.

Sousa Cintra referiu que quando foi presidente do clube, na década de 90, sempre teve uma boa relação com as claques e enalteceu o seu papel no apoio à equipa.

"Sempre tive uma boa relação com as claques, nos anos todos que servi o Sporting. Eu entendia que as claques eram indispensáveis para os clubes, davam uma alegria constante ao jogo", sublinhou.

À entrada para o tribunal, Sousa Cintra assumiu "não conhecer" o arguido Guilherme Gata de Sousa, que o arrolou como testemunha de defesa.

Na sala de audiência, Sousa Cintra classificou a invasão à academia como "a tempestade que se passou em Alcochete" e referiu que a "liberdade [das claques] tem que estar sempre acompanhada da responsabilidade".

O julgamento, que prossegue à tarde com a audição de testemunhas abonatórias, envolve 44 arguidos, acusados da coautoria de 40 crimes de ameaça agravada, de 19 crimes de ofensa à integridade física qualificada e de 38 crimes de sequestro, todos estes (97 crimes) classificados como terrorismo.

Bruno de Carvalho, à data presidente do clube, 'Mustafá', líder da Juventude Leonina, e Bruno Jacinto, ex-oficial de ligação aos adeptos do Sporting, estão acusados de autoria moral de todos os crimes.

  • Lage reconhece que série de jogos sem vencer tem origem em fragilidades defensivas
    1:57