País

Morreu o doente que confrontou o ministro em luta pelo medicamento para a hepatite C

A 4 de fevereiro de 2015, um dos elementos da Plataforma Hepatite C interpelou o ministro da Saúde, Paulo Macedo, na Assembleia da República, numa das várias ações de protesto realizadas pela Plataforma. A 18 de fevereiro desse mês, o Ministério da Saúde apresentou a nova estratégia de tratamento da hepatite C, que incluía os medicamentos inovadores comparticipados a 100% pelo Estado.

Lusa

"Não me deixe morrer, eu quero viver", gritou José Carlos Saldanha durante uma sessão da Comissão Parlamentar da Saúde, em 2015.

Morreu José Carlos Saldanha que há cinco anos ficou conhecido por interromper o ministro da Saúde numa sessão do Parlamento para pedir tratamento para a Hepatite C.

A notícia foi confirmada à agência Lusa por fonte oficial do Centro Hospitalar Universitário Lisboa Norte, que adiantou que a morte se deveu a uma septicemia, que não está ligada à hepatite C, da qual José Carlos Saldanha já se tinha curado.

"Não me deixe morrer, eu quero viver", gritou José Carlos Saldanha, doente que aguardava tratamento contra a hepatite C, ao dirigir-se ao ministro da Saúde, durante uma sessão da Comissão Parlamentar da Saúde.

José Carlos Saldanha vai ficar para a história pela luta que travou para alcançar um acordo entre a tutela e o laboratório farmacêutico que fabrica o medicamento inovador para a hepatite C, num processo que se arrastava há cerca de um ano na mais altas instâncias da saúde.

Em fevereiro de 2015, José Carlos Saldanha garantia que a intervenção no Parlamento não foi premeditada mas considerava que fez diferença falar na primeira pessoa.