País

“Não é a biologia que dota um progenitor para o amor incondicional”

O psicólogo forense Mauro Paulino analisa o caso Valentina.

O especialista considera que se a morte da criança de nove anos aconteceu por asfixia, isso revela uma “frieza emocional, fraco controlo dos impulsos e ausência de remorsos”. Ainda assim, Mauro Paulino explica que a motivação do crime terá de ser determinada pela investigação e autópsia do corpo.

Em entrevista à SIC Notícias o psicólogo diz ainda que não de deve “diabolizar” a residência alternativa com base neste caso, mas que também não se pode cair no extremo de desvalorizar as queixas de uma criança que rejeita estar com um dos progenitores.