País

Migrantes em fuga. “Estas pessoas estão desesperadas”

Cátia Batista, diretora científica do NOVAFRICA, pede políticas de acolhimento e integração de migrantes.

Um grupo de 17 migrantes ilegais fugiu, durante a madrugada desta quinta-feira, do quartel do exército, em Tavira. Estavam a cumprir isolamento profilático depois de terem sido detetados dois casos de covid-19 no grupo que chegou ao Algarve em setembro.

Para Cátia Batista, é urgente que se criem políticas de acolhimento e integração de migrantes para evitar “situações dramáticas” como esta, em especial durante a pandemia, de forma a que os migrantes que queiram vir para a Europa o possam fazer de forma legal e sem correr riscos extremos.

A professora e também diretora científica do NOVAFRICA considera que estes migrantes marroquinos deverão querer ficar na Europa e fugiram para evitar ser deportados. Diz ainda que muitos vêm à procura de trabalho e de uma “vida de felicidade” depois de deixarem o norte de África, muito afetado pela crise provocada pela pandemia e também pela crise climática.