País

PCP: uma história com 99 anos

Seleção de datas sobre a história do Partido Comunista Português (PCP), o mais antigo dos partidos portugueses com quase 100 anos.

1919

Março - É fundada a III Internacional Comunista (Comintern), por Lenine e Trotski.

Setembro - Fundação da Federação Maximalista Portuguesa (FMP), organização-mãe do comunismo em Portugal, por Manuel Ribeiro. A FMP reagrupava os primeiros sovietistas portugueses. Editava o semanário "Bandeira Vermelha".

Canva

1921

06 de março - Fundação do Partido Comunista Português (PCP), na sede da Associação dos Empregados de Escritório, em Lisboa, onde se realiza a assembleia que elege a direção do partido.

Num manifesto em que faz a sua apresentação pública, o PCP publica os 21 pontos da Internacional Comunista, que constituem a sua base política, e afirma a sua adesão ao Movimento Comunista Internacional. Pouco depois forma-se a Juventude Comunista.

16 de outubro - Primeira publicação d'"O Comunista", órgão de informação do PCP, e que o "Avante!" viria substituir em fevereiro de 1931.

Publicação de "O Jovem Comunista", órgão da Juventude do partido.

1922

O PCP adere à Internacional Comunista e já se faz representar no congresso de dezembro, em Moscovo, no ano em que é proclamada a União das Repúblicas Socialistas Soviéticas (URSS).

1923

10, 11 e 12 de novembro - I congresso do PCP, em Lisboa, em Lisboa. É eleito secretário-geral José Carlos Rates.

1926

28 de maio - Golpe militar e instauração de ditadura militar. Dissolução do Parlamento, imposição da censura prévia à imprensa. O golpe interrompeu, em 29 de maio, II congresso que estava a decorrer.

1927

O PCP passa à clandestinidade.

1929

21 de abril - Decorre, na clandestinidade, o congresso em que Bento Gonçalves, operário do Arsenal do Alfeite, em Almada, é designado secretário-geral do partido. Ocupa este cargo até 11 de setembro de 1942.

PCP

1931

15 de fevereiro - É publicado o primeiro número do jornal "Avante!", órgão central do PCP.

Álvaro Cunhal adere ao PCP, através da Federação das Juventudes Comunistas (FJC).

1932

Francisco de Paula Oliveira, também conhecido como Pavel, é secretário da FJC.

1934

A partir de março, Pavel, líder das FJC, é o representante do PCP junto da Internacional Comunista, em Moscovo.

1935

É preso o secretariado do comité central do PCP, composto por Bento Gonçalves, Júlio Fogaça e José de Sousa. Até ao final dos anos 1930 são presos dirigentes como Francisco Miguel, Carolina Loff, Ludgero Pinto Basto e Álvaro Cunhal. Esta década encerra uma primeira fase da vida do partido.

PCP apresenta o seu primeiro relatório ao congresso da Cominterm.

1936

Álvaro Cunhal, com o pseudónimo "Daniel", é eleito para o comité central. Neste ano, viaja até Moscovo para participar no congresso da Internacional Juvenil Comunista. No regresso, participa em Madrid na Organização Antifascista dos Portugueses Antifascistas.

1940/1941

Em 1940 um grande número de militantes é libertado, entre eles Álvaro Cunhal, Militão Ribeiro, Sérgio Vilarigues, Pires Jorge, José Gregório, Pedro Soares, Manuel Guedes e Júlio Fogaça. O PCP leva a cabo uma reorganização do partido.

1961

Álvaro Cunhal é eleito secretário-geral do partido. Ocupou o cargo até 1992, altura em que foi substituído por Carlos Carvalhas.

ANA BAIAO

1942

Bento Gonçalves morre, em 11 de setembro, no Tarrafal.

1943

III congresso do PCP, primeiro na clandestinidade, avança com reorganização do partido.

1946

IV congresso do PCP, na Lousã. Grupo de Cunhal vence e derrota a "política de transição", defendida pelo grupo de Júlio Fogaça.

1948

Nova visita de Álvaro Cunhal à União Soviética para tentar a reintegração do PCP na Internacional Comunista.

1949

Nova vaga de detenções de dirigentes do partido. Cunhal é preso numa casa clandestina, no Luso.

1957

V congresso do PCP no Estoril, que ficou conhecido como o da desestalinização. É adoptada a "solução pacífica" de transição para o socialismo, imposta pelo PCUS, agra liderado por Krutchov.

1958

PCP apoia candidatura presidencial de Arlindo Vicente, mas desiste a favor de Humberto Delgado.

1960

Fuga de Peniche. Em janeiro, fogem da prisão destacados dirigentes comunistas, como Álvaro Cunhal, Carlos Costa, Francisco Martins Rodrigues, Francisco Miguel, Costa Carvalho, Jaime Serra, Joaquim Gomes, Pedro Soares e Rogério de Carvalho.

1961

Álvaro Cunhal passa a viver no exílio, nos países do chamado Bloco de Leste. É eleito secretário-geral do PCP. Cunhal discursa no congresso do PCUS, em Moscovo. PCP tem novos estatutos e confirma-se a derrota da linha do chamado "desvio de direita", protagonizada por Júlio Fogaça, que é preso.

1962

Primeira emissão da "Rádio Portugal Livre", que difundia em Portugal algumas notícias que a censura impedia os jornais de divulgarem.

1964

Comité central do PCP reúne-se em Moscovo, onde Cunhal apresenta o relatório mais tarde batizado "Rumo à Vitória".

Dissidência de Francisco Martins Rodrigues, considerado o precursor do maoismo em Portugal, que cria a Frente de Ação Popular e mais tarde o PCP (ml).

É criada a estrutura armada do PCP, a Acção Revolucionária Armada (ARA), que só faz a sua primeira ação em 1970.

1965

No VI congresso, em setembro, o PCP aprova o programa do partido para "a Revolução Democrática e Nacional". Rutura com tendência maoista, de extrema-esquerda.

ACACIO FRANCO

1974

25 de abril, o Movimento das Forças Armadas (MFA) derruba o Governo liderado por Marcelo Caetano e o Estado Novo.

Álvaro Cunhal regressa a Portugal em 30 de abril. É realizado o VII congresso (extraordinário) do PCP, em 20 de outubro.

1975

25 de abril - Eleições para a Assembleia Constituinte. Foram eleitos 250 deputados. A forte influência do partido no Período Revolucionário em Curso (PREC) não se reflete nos resultados eleitorais. O PCP elege 30 deputados, o Partido Socialista 116 e o Partido Popular Democrático (futuro Partido Social Democrata) 81.

A revolução está nas ruas, inicia-se a Reforma Agrária, com a ocupação de terras no Alentejo e Ribatejo.

Em 28 de Novembro, é o princípio do fim do PREC e do "Verão Quente", após confronto entre o grupo dos "moderados" e a "esquerda militar", no 25 de Novembro, com a adoção de um modelo político de democracia representativa.

1976

Eleições presidenciais em 27 de junho. António Ramalho Eanes é eleito à primeira volta com 61,59% dos votos. O candidato apoiado pelo PCP, Octávio Pato, consegue 7,59% dos votos. Fica atrás de Otelo Saraiva de Carvalho (16,46%) e de Pinheiro de Azevedo (14,37%).

1979

IX congresso do PCP e é criada a Juventude Comunista Portuguesa, a partir da União dos Estudantes Comunistas (UEC) e da União da Juventude Comunista (UJC).

1982

Primeira revisão constitucional, à qual o PCP se opõe, que acaba com o Conselho da Revolução.

1986

PCP faz congresso extraordinário para decidir apoio a Mário Soares na segunda volta das presidenciais.

Cunhal faz visitas à China, Vietname, Laos e Camboja e, no regresso, reúne-se em Moscovo com o líder soviético, Mikhail Gorbachev.

1987

Momento de contestação interna no PCP. O "grupo dos seis", de Vital Moreira, Veiga de Oliveira, Silva Graça, Sousa Marques, Vítor Louro e Dulce Martins), entrega documento à direção para pedir mudanças no partido. Álvaro Cunhal recusa quaisquer alterações no rumo ou "abertura" do partido.

MDP rompe com APU (Aliança Povo Unido) e PCP e PEV avançam com CDU (Coligação Democrática Unitária).

1988

Depois do "grupo dos seis", surge a "Terceira Via", que também pede mudanças. É ano de congresso. Contestatários como Zita Seabra são afastados do comité central.

1989

Nas autárquicas, coligação do PS e PCP, liderada por Jorge Sampaio, ganha as eleições em Lisboa.

1990

O PCP faz o seu XII congresso (extraordinário), em Loures, um ano após o fim da URSS e a queda dos regimes comunistas na Europa de Leste. Faz uma análise às causas do "fracasso de um 'modelo' que representou o afastamento dos ideais do socialismo", mas "reafirmou" a sua "profunda confiança e convicção no valor, actualidade e projecção dos ideais comunistas". Cunhal continua à frente do partido. Carlos Carvalhas é eleito secretário-geral adjunto.

Zita Seabra é expulsa do PCP.

1991

É o ano do golpe de estado na URSS para derrubar Gorbachev, que teve, num primeiro momento, o apoio do PCP.

Em 19 de Novembro, o comité central anuncia a expulsão dos militantes Barros Moura, Mário Lino e Raimundo Narciso por posições políticas discordantes das do partido e "atividades fracionárias".

1992

No XIV congresso, em Almada, em dezembro, Álvaro Cunhal deixa a liderança do partido. Carlos Carvalhas assume o cargo de secretário-geral. Cunhal continua, porém, com um cargo especial, de coordenação: presidente de um novo órgão, o conselho nacional.

1996

Novo período de crise interna no PCP. No XV congresso, é extinto o conselho nacional e Álvaro Cunhal passa a ser apenas membro do comité central. Faz palestras pelo país e aproveita-as para se pronunciar contra mudanças pretendidas pelos "renovadores".

1998

Comité central lança o "Novo Impulso" que, na prática, acabaria com os chamados "controleiros". Este documento propõe que sejam eleitos pelos militantes, e não nomeados, os dirigentes que fazem a ligação das organizações com os organismos superiores. A proposta caiu no congresso, dois anos depois.

2000

XVI congresso realiza-se em Lisboa, num momento de grande atividade dos "renovadores", e é a primeira vez desde o 25 de Abril que Cunhal não participa, por questões de saúde. Envia, porém, uma mensagem aos congressistas, lida pelo ator Canto e Castro, em que faz a defesa da linha marxista-leninista, do centralismo democrático e trava quaisquer mudanças estratégicas do partido.

2001

Álvaro Cunhal aparece pela última vez em público para votar nas presidenciais, em que o candidato do PCP é António Abreu.

2002

Comité central ratifica, em setembro, a expulsão dos renovadores Edgar Correia e Carlos Luís Figueira e a suspensão, por 10 meses, do histórico Carlos Brito. É lançado o movimento Renovação Comunista.

MIGUEL A. LOPES

2004

No XVII congresso do PCP, em novembro, em Almada, Jerónimo de Sousa é eleito secretário-geral do partido, sucedendo a Carlos Carvalhas.

2005

Morte de Álvaro Cunhal, 12 de junho, com 91 anos. O funeral, em Lisboa, reuniu milhares de pessoas numa última homenagem ao líder histórico do PCP.

2008

Jerónimo de Sousa é reeleito secretário-geral do PCP, no XVIII congresso, em Lisboa, em 02 de dezembro.

2012

Em 02 de dezembro, o comité central do PCP reelege por unanimidade Jerónimo de Sousa secretário-geral do partido, no último dia do XIX congresso, em Almada.

2015

Em 04 de Outubro, realizam-se eleições legislativas. Coligação PSD/CDS-PP vence com 36,83% dos votos, o PS é segundo partido mais votado (32,38%). Apesar da vitória da direita, há uma maioria de esquerda no parlamento, com o PS, BE (10,22%), e PCP-PEV (8,27%), que abre caminho a um acordo parlamentar inédito. Mais tarde apelidado de "geringonça", os socialistas formam Governo, apoiados em posições comuns assinadas com PCP, BE e Verdes.

2016

No XX congresso, em Lisboa, Jerónimo de Sousa é reeleito para mais um mandato como secretário-geral do PCP.

2019

Nas europeias de 26 de junho, a CDU obtém 6,9% dos votos, elege dois eurodeputados, perdendo um representante no Parlamento Europeu comparativamente às eleições de 2014.

06 de outubro - A CDU, coligação liderada pelo PCP, elegeu 12 deputados, menos cinco do que em 2015, numas eleições ganhas pelo PS, com 36,34%, longe da maioria absoluta.

Veja também: