País

MAI expressa "profundo pesar" pela morte de agente da PSP em Évora

O ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita, durante uma conferência de imprensa após reunião do Conselho de Ministros, no Palácio da Ajuda, em Lisboa

JOSÉ SENA GOULÃO

Um agente da PSP em Évora morreu hoje de madrugada no hospital local depois de ter sido atropelado por uma viatura conduzida por um suspeito de violência doméstica.

O ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita, manifestou hoje em nome do Governo o seu "profundo pesar" pela morte do agente do Comando Distrital de Évora da PSP, vítima de atropelamento após uma intervenção policial.

"Em nome do Governo, manifesto profundo pesar pela morte" do agente, de 45 anos, "vítima de atropelamento após uma intervenção policial", pode ler-se na nota enviada hoje à agência Lusa pelo gabinete do ministro da Administração Interna (MAI).

Qualificando tratar-se de um "momento trágico", Eduardo Cabrita endereçou "as mais sentidas condolências aos familiares, amigos e a todos os polícias da Polícia de Segurança Pública que diariamente cumprem de forma abnegada a sua missão".

Um agente da PSP em Évora morreu hoje de madrugada no hospital local depois de ter sido atropelado por uma viatura conduzida por um suspeito de violência doméstica, que fugiu e entretanto já foi detido, revelou o Comando nacional da Polícia.

O Sindicato Nacional da Polícia (SINAPOL), numa publicação na sua página na rede social Facebook, também lamentou hoje a morte do agente, considerando que este foi "intencionalmente atropelado".

"O SINAPOL lamenta informar que um colega nosso da PSP de Évora, que foi intencionalmente e covardemente atropelado, não resistiu aos ferimentos e acabou por falecer", escreveu o sindicato, na publicação consultada pela Lusa.

Igualmente na sua página na rede social Facebook, consultada pela Lusa, a Associação Sindical dos Profissionais da Polícia (ASPP) lamentou o "trágico acontecimento".

A direção da ASPP endereçou condolências à família e amigos do agente e colega, "que faleceu esta madrugada vítima de atropelamento, quando prestava auxílio a uma vítima de suposta agressão".

"Infelizmente não resistiu", comunicou a ASPP, realçando que "a PSP está de luto".

O agente do Comando Distrital de Évora da Polícia não estava de serviço, no sábado à noite, mas interveio numa situação de violência doméstica que presenciou, na rua, acabando por ser atropelado pelo alegado agressor.

Segundo o Comando Nacional da PSP, às 21:45, no Rossio de São Brás, na cidade alentejana, "ocorreu uma agressão a uma mulher, pelo seu companheiro", no âmbito da qual o homem "arrastou a mulher pelo chão e obrigou-a a entrar numa viatura".

O agente "interveio para fazer cessar o crime em curso", mas, "ao tentar impedir a fuga do agressor, o Polícia foi atropelado pela viatura" conduzida por agressor, "sendo arrastado cerca de 40 metros" pelo mesmo veículo.

A PSP revelou que o agente foi levado, "em estado muito grave", para o Hospital do Espírito Santo de Évora.

"Devido à gravidade das lesões sofridas na intervenção policial, acabou por falecer", às "00:54" de hoje.

Quanto ao agressor, "conseguiu fugir", mas acabou por ser intercetado e detido pela GNR, "na zona de Alcabideche, em Sintra.

A PSP disse ainda ter contactado a Polícia Judiciária, por se tratar de um crime da competência desta força de investigação policial.