País

Número de vagas no ensino superior aumentou pelo sexto ano consecutivo

Universidade do Porto e na Universidade Nova de Lisboa são as que registam maior aumento.

O número de vagas no ensino superior aumentou pelo sexto ano consecutivo, são cerca de 52 mil. O concurso de acesso começa na próxima semana.

É o maior número desde 2015. São 52 mil 242 as vagas na primeira fase do concurso nacional de acesso ao ensino superior. Mais 834 do que no ano passado.

De acordo com os dados divulgados pela tutela, Lisboa e Porto puderam este ano disponibilizar mais lugares depois de dois anos com cortes por determinação do governo para corrigir desequilíbrios territoriais.

Relativamente aos números do ano passado, a Universidade do Porto contará com mais 233 vagas e a Universidade Nova de Lisboa com mais 146.

São as instituições que mais ganham por causa do indicador de excelência,.procuradas por mais de 100 candidatos com média superior a 17 valores.

A Universidade de Lisboa abre mais 56 vagas, que corresponde ao reforço nos cursos de excelência como Engenharia Aeroespacial e Engenharia Física e Tecnológica, onde as médias de ingresso continuam a ser as mais elevadas.

As instituições do interior do país reforçam os lugares na área do digital.

Direito continua a ser o curso com mais vagas: 445 na universdidade de Lisboa e 334 na de Coimbra
Segue-se enfermagem: 320 novas vagas na Escola Superior de Coimbra, 285 em Lisboa e 257 no Porto.

Segue-se depois Gestão na Universidade Nova de Lisboa que passou de 231 para 290 vagas.

A Nova vai também abrir dois novos cursos: Engenharia Química e Biológica e Ciência de Dados.

Aveiro regista também um aumento disponibilizando para o próximo ano mais 207 lugares.

O Institituto Politécnico de Tomar é o único que perde 10 vagas no próximo concurso.

Medicina não aumenta a oferta mantendo assim o mesmo número de lugares dos anos anteriores.

Esta primeira fase do concurso de acesso ao ensino superior decorre entre os dias 6 e 20 de agosto.

O Governo admite reforçar a oferta se o número de candidatos voltar a ser elevado, como aconteceu em 2020 que registou o maior número de candidaturas dos últimos 25 anos.