País

Moedas diz que convite de Medina é sinal de "dignidade"

"É importante que as transições sejam feitas com esta dignidade", salientou o autarca eleito.

Fernando Medina convidou Carlos Moedas para estar presente nas cerimónias do 5 de Outubro. À chegada, o presidente da Câmara eleito mostrou-se satisfeito pelo convite que diz ser um sinal de dignidade importante em democracia.

"É muito importante estar aqui, é importante, e é importante que as transições sejam feitas com toda esta dignidade que estamos a fazer entre o presidente da câmara e o presidente eleito, é importante para todos nós e para democracia", afirmou o social-democrata Carlos Moedas, em declarações aos jornalistas, à entrada para a cerimónia comemorativa do 111.º aniversário da Implantação da República, no Salão Nobre dos Paços do Concelho de Lisboa.

A cerimónia aconteceu num momento de transição política na Câmara Municipal de Lisboa, que marca o fim de 14 anos de gestão socialista, primeiro com António Costa (2007-2015) e depois com Fernando Medina, que perdeu as eleições autárquicas de 26 de setembro para o social-democrata Carlos Moedas (coligação PSD/CDS-PP/MPT/PPM/Aliança), que esteve na sessão solene a convite do presidente cessante.

Marcando presença como presidente eleito da Câmara de Lisboa, Carlos Moedas disse que a comemoração do 05 de Outubro significa: "dar valor a um dia tão importante para Portugal, para a nossa história".

"É assim que nós, realmente, reforçamos a nossa identidade, a falar da nossa história e a comemorar estes dias", apontou o social-democrata.

No próximo ano, a cerimónia de comemoração da Implantação da República já vai ser como Carlos Moedas como presidente da Câmara de Lisboa: "vão ter de esperar um ano, com muito gosto, mas hoje estou aqui como convidado e como presidente eleito".

Já o presidente cessante da Câmara de Lisboa, Fernando Medina, aproveitou o seu discurso na cerimónia para assinalar a presença de Carlos Moedas: "o sinal que Lisboa hoje dá, juntando nesta cerimónia oficial de comemoração do 05 de Outubro, na sua Câmara Municipal, o presidente cessante e o presidente eleito, reafirma a democracia e os seus princípios fundamentais, valorizando o que deve ser comum a todos os que a servem e que tem de estar acima das divergências políticas e dos estados de espírito pessoais".

No final da cerimónia, nem Carlos Moedas nem Fernando Medina quiseram falar aos jornalistas.

O social-democrata Carlos Moedas foi eleito presidente da Câmara Municipal de Lisboa, com 34,25% dos votos, nas eleições autárquicas de domingo, 'roubando' a autarquia ao PS, que liderou o executivo autárquico da capital nos últimos 14 anos.

Carlos Moedas vai suceder na presidência da Câmara Municipal de Lisboa ao socialista Fernando Medina, que se recandidatou ao cargo na coligação "Mais Lisboa" (PS/Livre).

Segundo os resultados oficiais, ainda provisórios, a coligação "Novos Tempos" (PSD/CDS-PP/MPT/PPM/Aliança) conseguiu sete vereadores, com 34,25% dos votos (83.121 votos); a coligação "Mais Lisboa" (PS/Livre) obteve também sete vereadores, com 33,3% (80.822 votos); a CDU (PCP/PEV) dois, com 10,52% (25.528 votos); e o BE conseguiu um mandato, com 6,21% (15.063).