País

Utentes da Lousã queixam-se de falta de pessoal no centro de saúde

Há quem espere à porta do centro de saúde desde madrugada e, mesmo assim, não consiga marcar uma consulta.

Os utentes de uma das unidades de saúde familiar da Lousã queixam-se de ter de ir para a porta do estabelecimento durante a madrugada para tentar marcar uma consulta. Nos serviços faltam, pelo menos, duas médicas e um administrativo.

As queixas têm-se multiplicado: quem chega cedo não consegue garantir que terá uma consulta e mesmo quem já tinha marcação feita, a resposta pode também ser negativa.

A autarquia fala em falta de organização e diz que não foi acautelada a tempo a saída de uma médica que já se sabia que iria passar à reforma, devido ao limite de idade.

No último concurso de contratação, o agrupamento de centros de saúde conseguiu preencher apenas quatro das nove vagas disponíveis. Não têm prevista a contratação de recursos humanos que permitam responder às queixas dos utentes.

► Veja mais: