País

GNR abre inquérito à atuação de militares perante agressão em discoteca do Algarve

As imagens desta peça são violentas e podem chocar.

Um segurança de uma discoteca, em Albufeira, agrediu um cliente há mais de uma semana. A GNR avançou com um processo de averiguações à conduta dos militares que responderam à ocorrência.

A agressão terá acontecido no seguimento de uma conversa azeda, motivada por uma desavença pessoal. O segurança de serviço de um grupo de estabelecimentos noturno deixou a vítima inconsciente, sem que alguém tentasse intervir.

A vítima, André Barbosa, é um barman, residente na região Norte, que trabalha por temporadas no Algarve. Na altura, não apresentou queixa e dispensou assistência médica. Em declarações à SIC, a vítima revelou que foi submetida a uma cirurgia ao maxilar.

André Barbosa apresentou entretanto queixa junto das autoridades do local de residência.

As imagens de videovigilância mostram a chegada do corpo de intervenção da GNR, cuja presença terá coincidido com o fim da agressão. A própria GNR abriu um processo de averiguações à conduta dos militares.

A SIC não conseguiu falar com a gerência da discoteca onde ocorreram as agressões. O responsável pela empresa de segurança não quis prestar esclarecimentos.

► Veja mais:

  • Confidentes de alunos e cúmplices de professores: o braço contínuo

    País

    Chamam-lhes “funcionários” porque funcionam. A expressão até parece sugerir que eles são os únicos que “funcionam”, dentro de uma escola. Acalmem-se os tolos. Significa apenas que os “assistentes operacionais”, ou “auxiliares de ação educativa”, títulos mais pomposos do que “contínuos” – expressão que estimo muito - são pau para toda a colher.

    Opinião

    Rui Correia

  • O planeta em que todos vivemos

    Futuro Hoje

    O Planeta Lourenço terá que ser ainda mais simples e eficaz na mensagem. É um risco. Frequentemente, quando me mostram aparelhos ou programas as coisas falham, é o que chamo de síndrome da demonstração. Mas isto acontece na vida real, é assim que vamos fazer.

    Opinião

    Lourenço Medeiros