País

Novo aeroporto: “Alcochete não será em 2035. Solução é exatamente a mesma, Portela mais Montijo”

Novo aeroporto: “Alcochete não será em 2035. Solução é exatamente a mesma, Portela mais Montijo”
José Gomes Ferreira analisa a nova solução aeroportuária do Governo.

José Gomes Ferreira da SIC analisou, esta quarta-feira no Jornal da Noite, a nova solução aeroportuária do Governo que envolve aeroportos no Montijo e em Alcochete e que culminará com o encerramento do aeroporto Humberto Delgado, em Lisboa.

“A solução é exatamente a mesma que estava desenhada. É Portela mais Montijo”, começou por dizer.

José Gomes Ferreira explicou que “aquilo que o Governo pode fazer é juntamente com a ANA, autorizá-la a fazer no Montijo em complemento à Portela e é assim que vai funcionar por muitos anos”.

A solução para isto só podia ser uma, aquela que a ANA – que é detida pelos franceses da Vinci – quiser fazer, porque tem um contrato de concessão assinado em 2012 por 50 anos em que só eles é que mandam e decidem o que querem fazer em aeroportos”, esclareceu.

José Gomes Ferreira da SIC afirmou que “o que vai acontecer é que a Portela vai ter um aeroporto complementar que é o Montijo. Os autarcas que votaram contra vão apanhar com uma lei que vai ser aprovada no Parlamento (…) para não terem direito de veto”.

“PORTELA VAI FUNCIONAR COM UM AEROPORTO EM COMPLEMENTO”

Questionado se o Governo vai renegociar com a ANA – Aeroportos de Portugal, explicou que “isto está tudo negociado. Basta haver o complemento de impacto ambiental que vai existir porque os autarcas não vão conseguir votar contra. Quando isto tudo estiver aprovado, a Portela vai funcionar com um aeroporto em complemento que é o Montijo, que é a solução que a ANA quer e nessa altura já não estará no Governo António Costa nem Pedro Nuno Santos (…), serão outros a mandar, mas será na mesma a ANA com contrato de concessão que vai dizer se quer ou não nessa altura fazer o de Alcochete”.

ALCOCHETE? “FRANCESES NÃO QUEREM GASTAR MAIS DE 3.500 MILHÕES DE EUROS”

José Gomes Ferreira explicou que “o [aeroporto] de Alcochete tem um problema (…) custa 3.500 a 5.000 milhões de euros a obra direta em si e custa mais 3.500 a 4.000 milhões de euros tudo o que é ligações [autoestradas, ligações ferroviárias], esta segunda parte a cargo do Governo e a primeira parte a cargo da ANA/Vinci/franceses. Eles não querem gastar esse dinheiro. Eles querem explorar ao máximo a estrutura que é a da Portela e que tem complemento no Montijo”.

QUEM MANDA NOS AEROPORTOS PORTUGUESES?

José Gomes Ferreira disse também que “quem manda nos aeroportos em Portugal neste momento não é o Governo português, é a Vinci, são os franceses. Foi assim que foi assinado em 2012”.

“Quem manda é a Vinci , é a Vinci que tem um contrato de concessão para fazer novos aeroportos e recuperar os que existem. E é a Vinci que tem, através de outras sociedades, o direito de construir novas pontes sobre o [rio] Tejo”, explicou.

Havemos de passar 2035 e o nada estará fechado. Haverá Alcochete, provavelmente mais tarde (…) Alcochete não será em 2035. Portela não fecha de certeza em 2035 (…) há-de demorar ainda mais décadas”, concluiu.

Últimas Notícias
Mais Vistos